InicioVidaSaúdeMoxico: Hospital do Luau clama por reabilitação urgente

Moxico: Hospital do Luau clama por reabilitação urgente

As chuvas torrenciais que se abateram no município fronteiriço do Luau, na província do Moxico, deixaram estragos incalculáveis, entre eles, a destruição total do hospital municipal e outras infra-estruturas. Sete meses depois de ter recebido a visita da ministra da Saúde Sílvia Lutucuta, a situação continua a mesma: o hospital continua a degradar-se cada dia que passa e os pacientes que são assistidos numa escola adaptada, reclamam das condições, que consideram impróprias para o atendimento de várias patologias.

Diniz Kapapelo | Moxico

Os pacientes ouvidos pela nossa reportagem dizem que a escola adaptada em hospital não oferece condições necessárias para cuidar da saúde.

O hospital continua a degradar-se cada dia que passa e os pacientes que são assistidos numa escola adaptada, reclamam das condições, que consideram impróprias para o atendimento de várias patologias.
(DINIZ KAPAPELO)

“As condições de atendimento não são adequadas porque isso é uma escola. O que nós queremos é mesmo a reabilitação do hospital”, explicou o paciente Marcelino Tchipepe.

Mariana Ngoi, por sua vez, disse que é urgente a reabilitação do hospital em função dos alunos da escola N.º 75 do Luau terem sido distribuídos para outras escolas do município, algumas distantes da sua localidade, situação que cria inúmeras dificuldades para os encarregados de educação.

“Notamos, por exemplo, que numa sala de aulas tem mais de 20 camas, embora as pessoas estejam bem acomodadas, mas é uma forma de transmissão de outras doenças, já que as salas são muito quentes e o ar não circula”, sublinhou.

O director do hospital disse que estão a viver dias muito difíceis no sector da saúde no município fronteiriço do Luau.
(DINIZ KAPAPELO)

Reparação do hospital é urgente
De reclamação em reclamação, a principal veio mesmo de José Manuel Bongue, Director do hospital municipal do Luau, que hoje atende os pacientes, de todas as patologias e diagnósticos, de forma provisória, na escola pública, denominada Colégio N.º 75 do Luau.

O director do hospital disse que estão a viver dias muito difíceis no sector da saúde no município fronteiriço do Luau.

“Na verdade, temos uma demanda enorme. A nossa média de consultas é de 350 pacientes por dia numa altura que estamos a trabalhar com 55 camas e temos uma taxa de ocupação de 97%, quando o normal seria 80%”, contou, sublinhando que está acima do que é normal para o ramo, situação que é agravada em função de estarem numa estrutura adaptada.

Sete meses depois de ter recebido a visita da ministra da Saúde Sílvia Lutucuta, a situação continua a mesma.
(DINIZ KAPAPELO)

“Não temos ventilação nas salas, a estrutura não é favorável devido ao aquecimento, é uma dificuldade enorme”, sustentou, para depois dizer que, ainda assim, vão fazendo o que podem para salvar vidas.

Segundo José Manuel Bongue, no Colégio N.º 75 do Luau estão a ser prestados todos os serviços, não obstante as condições da estrutura adaptada para o efeito.

(FOTO: DINIZ KAPAPELO)

“Infelizmente não temos outra alternativa senão continuar aqui enquanto aguardamos pela reabilitação e ampliação do hospital já que não temos outras salas apropriadas para tal. É um sofrimento enorme, mas vamos trabalhando”, garantiu, sublinhando mais adiante que até os doentes com queimaduras, estão a ser tratados nessas condições.

“Temos muita dificuldades no manejo dos pacientes com queimaduras porque, uma das terapias desses pacientes, é a ventilação. Devem estar numa sala adequada e com uma ventilação adequada, mas, infelizmente não temos salas apropriadas para tal”, contou, chamando atenção que é urgente que se reabilite, sendo que, se os profissionais da saúde reclama das condições de trabalho, os pacientes poderão reclamar ainda mais das condições de acomodação.

A maternidade e a farmácia são os únicos serviços que ainda funcionam na unidade hospitalar antiga.
(DINIZ KAPAPELO)

Governo local aguarda pelas estruturas centrais
De acordo com o administrador municipal em exercício do Luau, desde a tragedia que se deu em Outubro do ano passado, várias entidades se deslocaram ao Luau, entre elas, a Ministra da Saúde Sílvia Lutucuta, que prometeu na ocasião, a reabilitação do hospital num curto espaço de tempo, depois de ter deixado algum material para apoiar a direcção do hospital e o governo do Moxico.

“Até aqui estamos a espera que as autoridades centrais se pronunciem sobre a reabilitação e possível ampliação do hospital. Por enquanto não sabemos qual é o horizonte temporal para o início das obras”, explicou o edil do Luau. Todavia, já lá se vão sete meses e não há sinais de mudança, segundo dizem os munícipes.

(FOTO: DINIZ KAPAPELO)

Alunos querem retornar a escola
De acordo com José Manuel Bongue, nos últimos dias, a direcção do hospital tem vindo a sofrer pressão dos alunos que querem voltar a estudar na sua escola, já que a maioria, foram transferidos para escolas distantes da sede municipal.

“Já ouvimos algumas reclamações dos estudantes e, até hoje, continuamos a partilhar o espaço com a direcção da escola, porque nem todas salas de aulas foram ocupadas pela saúde”, sustentou o director do hospital.

Entretanto, a maternidade e a farmácia são os únicos serviços que ainda funcionam na unidade hospitalar antiga. De recordar que na altura os danos provisórios provocados pela chuva apontavam para duas pessoas mortas, oito feridos, destruição total do hospital municipal, entre outras infra-estruturas.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.