InicioMundoÁfricaCultura: Essas pioneiras africanas "turbulentas" esquecidas na história. Uma referência à angolana...

Cultura: Essas pioneiras africanas “turbulentas” esquecidas na história. Uma referência à angolana Maria Ruth Neto

Já na década de 1930, as mulheres africanas à frente do seu tempo estabeleceram-se em redutos ferozmente masculinos. Géraldine Faladé Touadé revive a memória dessas pioneiras injustamente não reconhecidas num notável ensaio.

Madeleine Ly, Marie Madoé Sivomey, Jeanne Martin Cissé, Sita Bella… Esses nomes de mulheres não significam nada para alguns de vocês? Deveriam, entretanto. Médica, prefeita, professora ou jornalista, foram pioneiras no seu campo desde a década de 1930, em redutos até então reservados aos homens.

A ex-jornalista Geraldine Faladé Touadé presta homenagem a elas num ensaio publicado em Setembro passado pela Présence africaine: Turbulentes! Mulheres africanas à frente do seu tempo.

Aos 86 anos, aquela que se apresenta como “correctora de memórias” pinta o retrato de dezessete “lutadoras” decididas e inconformadas que moveram as linhas apesar dos obstáculos e às vezes, com risco de vida.

Não conseguindo fazer delas seus modelos, Géraldine Faladé gostaria que as gerações mais novas descobrissem essas mulheres injustamente esquecidas e soubessem o que elas suportaram para abrir o caminho para elas.

Precursora do movimento da fralda

A primeira dessas guerreiras colocadas em destaque, uma “simples esteticista”: Josefa Jouffret, conhecida como Josefa. “Na década de 1960, os parisienses negros que não alisavam o cabelo escondiam as tranças com um lenço. Inconscientemente – ou talvez não – elas se esforçam para negar a sua africanidade. Josefa ensinou-os a amá-la e a assumi-la. Isso nos fez querer ser nós mesmas ”, explica Géraldine Faladé Touadé.

Em seguida, desenrola-se a história de sucesso desta mulher nascida na Martinica, mas que sempre se apresentou como guineense-senegalesa: a ousada abertura no coração do Quartier Latin do primeiro espaço de beleza inteiramente dedicado às mulheres negras; a corrida à Paris da moda em direcção à rue Gay-Lussac, contribuindo para a notoriedade de um endereço que rapidamente se torna mítico; competição dos gigantes da cosmética que estão nas boas notícias …

ELA NOS TROUXE GLAMOUR E ESTILO E DEIXAMOS DE SER MULHERES AFRICANAS COM DOR

Ao poder financeiro deste último, Josefa opõe a sua cultura, a sua confiança e a sua criatividade. Nos batons, ela invoca o azul e o âmbar em vez do vermelho escarlate, que fica berrante na pele escura e torna as feições pesadas. Aos alicerces atribui nomes que evocam os povos africanos: Bambara, Fulani… “Ela trouxe-nos glamour e estilo e deixamos de ser mulheres africanas com dor. Para Géraldine Faladé Toundé, Josepha abriu caminho para o reconhecimento da graça particular das mulheres negras, e sua forma de pensar é precursora dos movimentos da actualidade,  como a fralda.

Uma das primeiras parteiras na África francófona

Outro retrato marcante, o de Aoua Kéita, uma mulher de muitos talentos e um caráter fogoso. Seu combustível? Primeiro seu pai, que sempre a apoiou. Em seguida, seu marido, que a desperta para a política antes da separação – a pressão da família vai levar a melhor sobre o casal sem filhos. E, sem dúvida, também, os contratempos que ela encontra em seu caminho. Nascida na colonial Bamako em 1912, Aoua Kéita estava destinada a ser uma dona de casa. Seu pai a matricula secretamente na escola, contra o conselho de sua esposa, que tenta conter o entusiasmo da menina.

Frase perdida: brilhante, ela se tornará, na década de 1930, a primeira parteira do Sudão francês (atual Mali) – uma das primeiras da África francófona – e, em 1976, a primeira vencedora do Grande Prêmio da Littéraire d ‘Francophone Africa, por sua autobiografia Femme d’Afrique . Géraldine Faladé confiou no referido livro para reconstituir a trajetória deste feroz ativista, considerado uma das pontas de lança do Rally Democrático Africano (RDA).

A autoridade colonial, que a catalogou como comunista, tenta desviá-la da política com afeições disciplinares e humilhações. O ás. Em Gao, ela criou uma filial feminina da RDA. E descobre que a autoridade colonial esconde dos sudaneses os seus direitos, inclusive o de votar. Aoua Keita chegará ao ponto de renunciar à sua cidadania francesa para poder cumprir este dever cívico. E acabará sendo expulsa do Sudão em Julho de 1951. Exilada no Senegal, ela continua a sua luta à escala continental, na companhia da guineense Jeanne Martin Cissé, mais uma implicância da autoridade colonial transferida para Dacar porque “turbulenta”.

 Activistas pan-africanistas

Só o nome deste último simboliza a luta que as mulheres travaram contra o bastião do mundo masculino desde a primeira metade do século XIX … Aquele que em 1972 tornou-se presidente do Conselho de Segurança das Nações Unidas pertence, de fato, à geração de lutadores que trabalharam para convencer suas irmãs a participarem da construção de seu país.

Com, entre outras, Caroline Faye Diop (Deputada desde 1963 e futura Ministra), Angie Elizabeth Brooks (futura Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas) e Maria Ruth Neto (irmã do Presidente Angolano Agostinho Neto), Martin Cissé e Kéita irão parte das “mães fundadoras da Organização Pan-Africana das Mulheres”. Em 1962, eles reuniram mulheres africanas de língua francesa, inglesa e portuguesa em Dar es Salaam para uma conferência e criaram, um ano antes da Organização da Unidade Africana (OUA), esta mulher pan-africana com sede em Bamako.

A CARACTERÍSTICA COMUM DESSAS MULHERES DE ORIGENS DIVERSAS ERA O SEU AMOR PELO CONTINENTE

Se muitos pioneiros se destacaram nas lutas pela causa das mulheres, Geraldine Faladé, ela os percebe mais como ativistas pan-africanistas do que feministas. “A característica comum dessas mulheres de diversas origens é o amor pelo continente. Todos sonhavam com uma África unida e aproveitavam a menor oportunidade para tentar dar-lhe substância, convencidos de que só teriam sucesso juntos. ”

A administração colonial os fez pagar por sua militância

Segundo Faladé Touadé, a maioria dos pioneiros não tinha os cargos e os cursos que mereciam. A administração colonial sempre os fez pagar por sua militância. Ela toma o exemplo de sua irmã, Solange Faladé, a primeira psicanalista do continente, como prova. Aluna e colaboradora próxima de Jacques Lacan, então parceiro de Françoise Dolto, ela concorreu à cadeira de higiene na faculdade de medicina de Dakar após o doutorado, para servir a África.

A autoridade colonial prefere um francês a um que foi descrito como “nacionalista fervoroso” enquanto ela presidia a Federação de Estudantes Negros Africanos na França (Féanf). “Esse tratamento é tanto mais injusto porque essas mulheres não pensam na carreira; eles só queriam servir ”, acredita Faladé Touadé.

No entanto, após a independência, sua sorte não melhorou. O patriarcado – herdado da colonização – obriga, posições de prestígio foram devolvidas aos homens. “Mochileira, aviadora de coração, a jornalista e realizadora Sita Bella foi percorrida ao longo da sua carreira pela administração camaronesa e nunca foi capaz de exercer plenamente a sua arte”, lamenta Faladé Touadé, muito conhecida.

Um mal menor, dado o destino espetacularmente trágico reservado a Funmilayo Ransome-Kuti, mãe de Fela, que morreu poucos meses depois de ser defenestrada por causa de seu ativismo. “A felicidade das mulheres comuns era a felicidade dela”, escreveu um sobre esse intelectual formado na Inglaterra, que começou criando o Ladies Club para apresentar aos jovens nigerianos o modo de vida ocidental.

Em seu romance Aké, seu sobrinho Wole Soyinka resume seu trabalho da seguinte forma: “O movimento […] começou em torno de xícaras de chá e sanduíches […] para resolver os problemas de noivas jovens, que careciam de modos de se comportar em sociedade. […] Virou uma luta para acabar com o domínio dos brancos no país. Mas é ao se levantar contra os abusos de um regime militar pós-independência que Funmilayo Ransome-Kuti perderá a vida.

Para Géraldine Faladé Touadé, muitas outras mulheres turbulentas ainda precisam ser descobertas, como a atriz Lydia Ewandè . O ex-jornalista do Escritório Francês de Cooperação em Rádio (Ocora, ancestral da RFI) prepara o segundo volume de seu ensaio.

"Turbulento! Africanos à frente de seu tempo ”, de Geraldine Faladé Touandé, ed. Presença africana, 270 páginas.

Dia Internacional da Mulher Africana

31 de Julho. Se há uma data que passa despercebida no continente, é esta. No entanto, ele marca o Dia Internacional da Mulher Africana, eclipsado em 8 de Março. Criada em 1962 em Dar es Salaam (Tanzânia), durante a primeira Conferência das Mulheres Africanas (CFA – transformada em Organização Pan-Africana das Mulheres em 1974), é reconhecida pela UA e pela ONU.

Em 2012, durante os cinquenta anos comemorados na Unesco, as primeiras africanas não correram para o portão, com exceção de Antoinette Sassou N’Guesso, madrinha do evento.

Turbulento . D es Africanos à frente de seu tempo , por Geraldine Faladé Touandé, ed. Presença africana, 270 páginas.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.