InicioAngolaPolíticaGoverno brasileiro pede explicações a Angola sobre deportações de missionários da IURD

Governo brasileiro pede explicações a Angola sobre deportações de missionários da IURD

O ministro das Relações Exteriores brasileiro, Carlos França, solicitou ao embaixador angolano em Brasília, Florêncio Mariano, explicações sobre a “notificação de deportação de 34 cidadãos brasileiros” em Angola.

Em causa está a deportação de missionários da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), que foram notificados em abril para deixarem voluntariamente o país por terem cessado a atividade eclesiástica em Angola. Os missionários tiveram vistos cancelados na sequência de um ofício da nova direção angolana da IURD.

Em comunicado, o Governo brasileiro indicou que, desde que a Embaixada do Brasil em Luanda tomou conhecimento das deportações e manteve “permanente contacto com as autoridades angolanas para assegurar a devida proteção consular, que foi prestada em cada ocasião em que foi necessária”.

Segundo o Governo brasileiro – na noite de terça-feira (11.05), nove dos 34 cidadãos brasileiros embarcaram para o Brasil, num processo que decorreu com “tranquilidade”, através de “apresentação voluntária”, e deu-se na “presença de dois funcionários consulares brasileiros, que acompanharam o processo ao longo de todo o dia, prestando a plena assistência consular”.

“A pedido do embaixador do Brasil, foi assegurado aos demais brasileiros, que não conseguiram embarcar na noite de 11/05, o direito de aguardar o embarque em suas residências”, conclui a nota do Ministério das Relações Exteriores.

Edir Macedo (esq.) ao lado do Presidente Jair Bolsonaro em evento alusivo à independência do Brasil, em 2019
(DR)

Entenda o caso
O conflito interno na IURD teve o seu início em novembro de 2019, quando um grupo de dissidentes angolanos decidiu afastar-se da direção brasileira com várias alegações de crimes – nomeadamente de evasão de divisas, racismo, prática obrigatória de vasectomia, entre outras.

Os missionários da igreja criada pelo brasileiro Edir Macedo negaram as acusações e acusaram também os angolanos de xenofobia e agressões.

Na justiça angolana – depois de iniciadas as divergências entre as partes, agravadas com a tomada pela força de templos em todo o país – tramitam vários processos judiciais relacionados à IURD-Angola.

Uma Comissão de Reforma de pastores angolanos foi legitimada pelo Estado angolano, tendo a nova direção da IURD, encabeçada pelo bispo Valente Bezerra, sido eleita em assembleia-geral a 13 de fevereiro.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.