InicioAngolaSociedadeObras sociais no Huambo paralisadas por falta de financiamento

Obras sociais no Huambo paralisadas por falta de financiamento

Cerca de 80 obras de impacto económico-social, entre escolas, hospitais e estradas, adjudicadas na província do Huambo, encontram-se paralisadas e outras abandonadas, por falta de financiamento, constatou, quarta-feira, a ANGOP.

O cenário é visível nos 11 municípios da província, com a existência de infra-estruturas inacabadas, sobretudo as inscritas no âmbito do Programa de Investimentos Públicos (PIP), cujas obras foram suspensas em Março de 2020 pelo Ministério das Finanças, através da Circular nº 03, por falta de recursos financeiros.

Tratam-se, conforme dados do Gabinete de Estudo e Planeamento (GEP) Governo do Huambo, de obras de construção de escolas, unidades sanitárias, estradas e infra-estruturas desportivas.

Entre os projectos, destacam-se a construção do Centro Cultural, avaliado, à época, em seis milhões de Dólares americanos, e do Estádio do Sport Huambo e Benfica “Mambroa”, com um investimento inicial de 844 milhões 462 mil 654 Kwanzas, ambas adjudicadas em 2011 pelo Governo e paralisadas em 2013.

Constam ainda, entre outras, as obras de asfaltagem das estradas dos bairros da Juventude, Macolocolo, Sassonde I e II, nos arredores da cidade do Huambo, igualmente suspensas pelo Ministério das Finanças.

A propósito, o director do GEP no Huambo, Bernardo Domingos Elavoco, fez saber que esforços estão a ser envidados para a resolução deste problema junto das estruturas centrais, visando a promoção do crescimento económico-social da província.

Cerca de 80 obras de impacto económico-social, entre escolas, hospitais e estradas, adjudicadas na província do Huambo, encontram-se paralisadas e outras abandonadas, por falta de financiamento.
(DR)

PIIM – salva obras paradas no Huambo
Perante tal situação, Bernardo Domingos Elavoco informou que o Governo da província do Huambo olha para o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), lançado em 2019, pelo Presidente da República, João Lourenço, como uma soberana oportunidade para alavancar o desenvolvimento sócio-económico desejado da região.

Para o efeito, conforme o responsável, foram inscritas, até ao momento, no âmbito do PIIM, 307 acções, na sua maioria projectos de investimentos públicos para responder às necessidades sociais da população.

Segundo o director do GEP, das 307 acções, 195 já estão em execução, enquanto as demais correm trâmites legais, aguardando por validação da Direcção Nacional de Investimentos Públicos, para o desembolso financeiro.

Sem avançar o valor global, apontou, entre outros, a reciclagem de 15 quilómetros de estradas na cidade da Caála, a construção e reabilitação de infra-estruturas escolares, sanitárias, eléctricas e relacionadas com a melhoria do abastecimento de água potável, no quadro da melhoria do bem-estar comum.

Com uma área de 35 mil e 771 quilómetros quadrados, a província do Huambo tem dois milhões 519 mil 309 habitantes, distribuídos pelos 11 municípios, 37 comunas e 3 mil 387 aldeias.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.