- Publicidade-
InicioMundoÁfricaConstruir nutrição nos sistemas alimentares da África

Construir nutrição nos sistemas alimentares da África

Estima-se que, como resultado da pandemia, mais 1,2 milhão de crianças africanas serão afectadas pela desnutrição crónica – uma doença que já afeta um terço das crianças na África. A única solução a longo prazo é incorporar uma boa nutrição em todo o ciclo de cultivo e distribuição.

A desnutrição crónica é um flagelo para o continente africano. As crianças afetadas muitas vezes vivem em comunidades rurais e não têm uma chance justa de atingir seu pleno potencial já quando foram concebidas, porque suas mães, e depois elas mesmas durante os primeiros 2 anos de vida, não comem frutas, vegetais suficientes, e carne.

Esses alimentos contêm vitaminas e minerais essenciais, que são vitais para o desenvolvimento de um corpo e cérebro saudáveis. Como adultos, essas crianças ganharão em média 22% menos, tornando quase impossível sair da pobreza e contribuir totalmente para o crescimento econômico de suas nações.

Esta doença afeta uma em cada três crianças na África, em média, e o continente é a região com a maior prevalência. Em 24 países africanos, mais de 30% das crianças menores de cinco anos são raquíticas, uma consequência da desnutrição crônica.

Para prevenir a doença, é necessária uma abordagem holística. As comunidades devem ter acesso a serviços básicos de saúde, água potável e saneamento, e uma dieta diversificada que inclua alimentos nutritivos.

A questão dos alimentos nutritivos continua a ser uma questão que África deve enfrentar com maiores esforços, melhorando os nossos sistemas alimentares, adaptando-os aos efeitos negativos das alterações climáticas e reduzindo as disparidades de género na agricultura.

Alimentos sensíveis à nutrição

Os sistemas alimentares devem ser fortalecidos para torná-los sensíveis à nutrição, de modo que em todas as etapas da cadeia, desde a produção até a transformação, transporte e consumo de alimentos, mecanismos sejam implementados para garantir que o que comemos em todos os lugares A África é nutritiva.

Estimular a diversificação da produção para incluir hortaliças e frutas é uma boa opção; também temos que nos certificar de que as sementes e técnicas usadas são adaptáveis ​​às mudanças climáticas.

Outra opção é a biofortificação de culturas básicas, para maximizar o conteúdo nutricional do milheto, sorgo, milho ou batata-doce consumidos diariamente nas comunidades rurais.

O acesso à infraestrutura de transporte e rede de frio é importante, para que o valor nutricional dos alimentos possa ser preservado durante o envio das áreas rurais para as cidades. As pequenas e médias empresas locais que trabalham na indústria de alimentos nutritivos têm um papel importante a desempenhar, mas precisam ter acesso a financiamento para desenvolver suas atividades e propor alimentos nutritivos. Apoiando essas empresas, estimulamos o mercado e aumentamos a demanda por alimentos nutritivos.

Outro elemento importante a considerar é a lacuna de género na agricultura: na África Subsaariana, as mulheres representam metade dos pequenos agricultores. No entanto, eles têm menos acesso do que os homens à terra, ativos produtivos, técnicas inovadoras e financiamento.

Se quisermos reduzir a desnutrição, precisamos eliminar essa lacuna de gênero na agricultura, porque quando as mulheres têm autonomia econômica, elas investem na nutrição dos filhos. Quando as crianças recebem boa nutrição, as comunidades prosperam.

Além disso, sabemos que diminuir a lacuna de gênero na agricultura levaria a um aumento de produtividade de 20-30%, o que levaria 100-150 milhões de pessoas a sair da desnutrição.

Precisamos de maiores investimentos para transformar os sistemas alimentares africanos, uma chave para reduzir a desnutrição, mas também, gerenciar a Covid-19, que ameaça destruir o progresso feito até agora.

A plataforma Standing Together for Nutrition calculou que a Covid-19 levará a 1,2 milhão de crianças adicionais afectadas por desnutrição crónica apenas na África Subsaariana, alimentada pela perda de renda, especialmente para trabalhadores informais, interrupções nas cadeias de abastecimento e acesso difícil aos sistemas de saúde.

É, pois, urgente agir para que não se percam os avanços que fizemos na redução da fome e da alimentação nas últimas décadas. O capital humano da África está em jogo.

NOTAS: 

Assia Sidibe lidera o UNITLIFE, uma iniciativa da ONU dedicada ao combate à desnutrição crônica por meio da inovação.

Carl Manlan é o diretor de operações da Fundação Ecobank. A UNITLIFE e a Fundação Ecobank lançaram a campanha pan-africana Make the Connection, a fim de aumentar a conscientização sobre a desnutrição crónica e reunir recursos para que as gerações futuras não sofram com suas consequências desastrosas. 

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.