- Publicidade-
InicioEconomiaPME com 0,4% de aumento de volume de facturação

PME com 0,4% de aumento de volume de facturação

O inquérito do Banco Nacional de Angola sobre o impacto da Covid-19 nas pequenas e médias empresas (PME) aponta para uma ligeira melhoria da situação económica, dado o volume médio de facturação e a permanência destas no mercado.

Com 375 submissões válidas, o inquérito referente a Fevereiro último, indica que o nível médio de facturação das empresas registou um crescimento de 0,4%, sem no entanto avançar os números de Janeiro.

Tal aumento, de acordo com o documento do BNA, a que a ANGOP teve acesso, está associado ao abrandamento das medidas de restrições e, consequentemente, ao aumento da procura, com um maior movimento de pessoas e bens.

Os sectores de actividades de informação e comunicação (11,7%), electricidade, gás, vapor, água quente e fria (10,6%) e transporte e armazenagem foram os que obtiveram aumento do volume de negócios.

Tiveram maiores perdas na facturação média, os restaurantes e similares (17,6%), indústria extractiva (14,9%) e actividades de consultoria, científicas e técnicas (10,9%).

Ainda no seio das PME, de acordo com o relatório, em Fevereiro a sua situação financeira melhorou ligeiramente, quando comparado ao mês de Janeiro, na medida em que 73,1% das empresas consideraram enfrentar dificuldades de índole financeira contra 77,7% da edição anterior.

A falta de liquidez continua a liderar a lista das principais dificuldades financeiras das empresas (27,5%), seguida dos salários em atraso (11,5%), ausência de encomendas/clientes (10,7%) e do não pagamento de dívidas aos fornecedores (5,1%).

Outro grupo de empresas representadas por 18,7%, consideraram que a sua situação financeira é estável, com maior destaque para os sectores de captação, tratamento e distribuição de água, saneamento, higiene pública e indústrias transformadoras.

Quanto às dividas a receber e a pagar, o documento refere que à semelhança do período anterior, durante o mês de Fevereiro, algumas empresas (29,6%) consideraram que a receber dos clientes aumentou, outras (28,3%) dizem não terem sofrido alterações e outro grupo (33,9%) declara o aumento das mesmas.

O Banco Central adverte que o contexto continua a ser de adversidades e a exigir resiliência aos operadores económicos, justificando que um número significativo de empresas ainda reporta problemas financeiros.

Para que haja retoma da normalidade da actividade económica, o mais rápido possível, o BNA diz ser fundamental o reforço das medidas de apoio ao sector empresarial, associado a uma flexibilidade das restrições tomadas, no âmbito do controlo da pandemia.

Do inquérito, com registo de 389 submissões, das quais 375 válidas, destacam-se os sectores do comércio, indústria transformadora, agricultura e pesca e outros serviços. o mesmo, de acordo com o BNA, teve cobertura Nacional.

Outras sondagens em torno da evolução da actividade económica do país estão em curso, com vista a antever situações com implicações no sistema financeiro.

- Publicidade -
FonteAngop
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.