- Publicidade-
InicioDestaquesPGR justifica morosidade de processo de Isabel dos Santos com "complexidade"

PGR justifica morosidade de processo de Isabel dos Santos com “complexidade”

“Processos não se investigam em seis meses”, afirma Hélder Pitta Grós. Sobre a alegada “conspiração” de que a empresária se queixa, PGR angolano diz que Isabel dos Santos “é livre de dizer aquilo que achar conveniente”.

O Procurador-Geral da República (PGR) de Angola justificou esta quinta-feira (15.04) a morosidade do processo de Isabel dos Santos com a sua “complexidade” e referiu que a empresária angolana “é livre de dizer aquilo que achar conveniente para a sua defesa”.

Segundo Hélder Pitta Grós, “os processos não se investigam em seis meses e nem em um ano, esse é o tipo de crimes pela sua complexidade levam muito mais tempo, são muito mais morosos”.

“Requerem também muita intervenção da cooperação internacional a solicitação de exames, de perícias, de documentação”, argumentou, em declarações aos jornalistas, após inaugurar o Parlatório Virtual (Sala de Videoconferência) do Hospital Prisão São Paulo, em Luanda.

Para o Procurador-Geral da República de Angola, a “morosidade” do processo que envolve a empresária Isabel dos Santos também decorre das limitações impostas pela Covid-19, “sobretudo no ano passado, pelo que as instituições já não trabalham, praticamente a 100%”.

“Isso não só em Angola, mas também noutros países mais desenvolvidos do que o nosso, também há dificuldades no funcionamento, mas o importante é o trabalho está a ser feito e da melhor forma possível”, assegurou Hélder Pitta Grós, sem entrar mais em detalhes.

“Conspiração” sem comentários
Questionado pela Lusa sobre a alegada “conspiração” de que se queixa a empresária, o PGR respondeu que “a senhora engenheira Isabel dos Santos é livre de dizer aquilo que achar por conveniente para a sua defesa”.

“Em relação a isso não tenho nada a comentar, é uma opinião dela e não tenho nada a dizer acerca disso”, afirmou Hélder Pitta Grós.

A empresária acusou, em finais de março, o Presidente João Lourenço de tentar “usurpar” ilegalmente os seus bens e apresentou no Tribunal de Londres alegadas provas que revelariam “uma conspiração” no âmbito do processo que envolve a Unitel.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.