InicioMundoÁsiaAung San Suu Kyi enfrenta novas acusações

Aung San Suu Kyi enfrenta novas acusações

A ex-dirigente Aung San Suu Kyi, prémio Nobel da paz em 1991, está a ser processada por uma série de novas acusações que podem impedi-la de exercer o poder novamente, anunciou o advogado Min Min Soe.

Aung San Suu Kyi foi mais uma vez acusada com base na Lei de Gestão de Desastres Naturais. A informação foi confirmada pelo o advogado, Min Min Soe, que acrescentou que “no total são seis casos, cinco em Naypyidaw e um em Rangum”.

A ex-dirigente birmanesa também está a ser processada por ter importado ilegalmente ‘walkie-talkies’, por “incitar distúrbios públicos”, por recebido mais de um milhão de dólares e 11 quilos de ouro em subornos, mas ainda não foi indiciada por “corrupção”.

No passado dia 25 de Março, as autoridades birmanesas acusaram a prémio Nobel da paz de ter violado a lei sobre os segredos de Estado da época Colonial, a acusação mais grave que pesa sobre Aung San Suu Kyi.

Se for considerada culpada, enfrentará longos anos de prisão, correndo o risco de ser banida da vida política.

Desde o golpe de Estado do dia 1 de Fevereiro, Myanmar tem sido palco de violentas manifestações que já fizeram mais de 700 mortos, de acordo com a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos. A Junta Militar qualifica as vítimas de «terroristas» e contabiliza apenas 248 vítimas mortais.

Apesar da repressão, às manifestações e greves continuam no país.

A comunidade internacional está cada vez mais alarmada com a situação que se vive na antiga Birmânia, mas a Rússia e a China continuam a rejeitar a ideia de sanções. Os Estados Unidos e vários países europeus pediram, na semana passada, ao Conselho de Segurança da ONU para reforçarem pressão imposta actual regime de Myanmar.

FonteRFI

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.