- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil ButanVac: O que já sabemos sobre a nova vacina brasileira contra a...

ButanVac: O que já sabemos sobre a nova vacina brasileira contra a covid-19

Butantan vai produzir a primeira vacina brasileira contra a covid-19

ButanVac será produzida em fábrica diferente da CoronaVac

Na fase 3, 9 mil voluntários poderão participar

Na manhã da última sexta-feira (26), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, anunciaram o desenvolvimento da ButanVac, uma vacina contra a covid-19 feita 100% no Brasil.

O desenvolvimento da ButanVac começou há um ano, em 27 de março de 2020, a pretende começar a vacinar com o imunizante ainda em 2021. A tecnologia da nova vacina é a mesma usada para produção da vacina da gripe.

Veja o que se sabe até o momento sobre a nova vacina brasileira:

Em que estágio está o estudo da ButanVac?
Até o momento, foram feitos estudos pré-clínicos da vacina, ou seja, apenas em animais. Nesta sexta, o Butantan vai enviar à Anvisa o pedido de autorização para iniciar os testes em pessoas. Também serão enviados documentos referentes à vacina para a Organização Mundial da Saúde.

O objetivo é que, em abril, com a autorização da Anvisa, o Butantan possa começar a nova etapa de testes, com as fases 1 e 2.

Quem pode se voluntariar para os testes?
Segundo o Instituto Butantan, serão 1.800 voluntários nas fases 1 e 2. Na fase 3, 9 mil pessoas devem participar. A ideia é que participem cidadãos que ainda estão fora do Plano Nacional de Imunização.

“No primeiro momento, serão adultos, acima de 18 anos, e podemos abrir o voluntariado para aqueles que não estão sendo vacinados pelo Programa Nacional”, afirmou Dimas Covas.

Quando a vacina começará a ser aplicada?
Caso os planos do Butantan se concretizem, a vacina pode começar a ser aplicada em julho de 2021. Segundo Dimas Covas, a celeridade do processo é possível porque o Instituto sabe mais sobre o coronavírus do que sabia quando começou a testar e produzir a CoronaVac, por exemplo.

“O que leva a nós termos esse cronograma é a experiência adquirida, inclusive com o estudo clínico da CoronaVac”, disse Covas durante coletiva de imprensa nesta manhã. Em julho, o Butantan pretende ter 40 milhões de doses da ButanVac.

Quantas doses terá a ButanVac?
O número de doses necessárias para a imunização completa com a ButanVac só será definido após os testes clínicos da vacina. No entanto, Dimas Covas afirmou que o imunizante apresentou bons resultados imunogênicos, ou seja, boas respostas imunológicas.

Com isso, o Butantan não descarta a possibilidade de que a ButanVac será aplicada em dose única.

A vacina é só para São Paulo?
Não, a ButanVac, se autorizada, será repassada ao governo federal para que seja usada no Plano Nacional de Imunização. “São Paulo faz parte do Brasil”, disse o governador João Doria. “A opção é salvar os brasileiros.”

Além disso, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, ainda cogitou a possibilidade de exportar a vacina, depois que o Brasil for atendido.

“Nosso compromisso é fornecer essa vacina para países de renda baixa e média. Porque é lá que nós precisamos combater a pandemia. Se o mundo rico combate porque tem recursos, e vai ficar relativamente livre do vírus, os países com renda baixa ou média, que tem dificuldades para obter recursos, vai continuar com a pandemia”, explicou Covas.

CoronaVac está sendo produzida no Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa SinoVac.
(Foto: Cris Faga / NurPhoto via Getty Images)

O que acontece com a CoronaVac?
A CoronaVac continuará sendo produzida normalmente pelo Instituto Butantan. Até 30 agosto, o governo do estado de São Paulo entregará um total de 100 milhões de doses da vacina produzida em parceria com a SinoVac.

A ButanVac e a CoronaVac serão produzidas em fábricas diferentes, por isso, não haverá qualquer tipo de interferência, segundo o Butantan. “Essa vacina [ButanVac] será produzida em uma outra fábrica, não é a fábrica que está sendo reformada para produção da CoronaVac. É uma fábrica usada para a vacina da gripe, e vai começar a ser produzida em maio, logo após a campanha da gripe”, relatou Covas.

Além disso, Doria não descartou a compra de outras vacinas, de outros laboratórios.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.