- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Crónicas e Artigos Notas soltas sobre a entrevista de Adão de Almeida (3) - Reginaldo...

Notas soltas sobre a entrevista de Adão de Almeida (3) – Reginaldo Silva

Não percebi porquê que Adão de Almeida (AA) ignorou o facto da actual Constituição ter sido boicotada pelo maior partido da oposição, a UNITA, que em sinal de protesto abandonou a sala na sessão solene da sua aprovação, não tendo por isso participado na votação final do actual texto.

Em termos de acta final não sei como é que ficou lavrado o documento que foi publicado no Diário da República (DR), mas não me parece que seja muito aceitável ouvir AA repetir até à exaustão que a actual Constituição tem uma grande legitimidade como resultado do seu processo de elaboração.

Ignorar este incidente final que foi marcadamente político e as suas consequências para a legitimidade do texto é no limite uma cortina de fumo que o jornalismo não devia acompanhar em nome da verdade dos factos.

Não percebi porquê que AA ignorou o facto da actual Constituição ter sido boicotada pelo maior partido da oposição, a UNITA, que em sinal de protesto abandonou a sala na sessão solene da sua aprovação.
(DR)

Contrariando frontalmente todo o marketing político de AA em prol da Constituição da República de Angola (CRA) 2010, tenho para mim que a actual Constituição foi feita no quadro de uma estratégia político-partidária bem precisa que só não percebe quem anda muito distraído ou percebendo não quer dizer mais nada porque está de acordo com o objectivo maior desse modelo que é evitar, a todo o custo, a alternância política.

Na verdade, o principal traço do atipismo desta constituição, está no “minimalismo” com que os representantes dos órgãos de soberania são eleitos todos, de uma só vez e na mesma lista.

Poder ser eleito para o topo do Estado/República e do Poder Executivo “disfarçado” de cabeça de uma lista de futuros deputados, com menos de 50% dos votos expressos e a uma volta, é de facto uma “fórmula mágica” que está a ser testada em Angola, aparentemente, com bastante sucesso pois, e até ver, o sistema até está a funcionar com uma maioria qualificada.

Reginaldo Silva | In Facebook

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.