- Publicidade-
InicioCiências e TecnologiaPesquisa identifica “imbondeiros” no Brasil

Pesquisa identifica “imbondeiros” no Brasil

O professor brasileiro André Lúcio Bento fez uma descoberta que surpreendeu pesquisadores e estudiosos da cultura africana no Brasil, a existência de dezenas de imbondeiros, também chamados de “baobás”, na cidade de Brasília, capital federal brasileira.

As árvores, que são símbolos culturais de África, estão a ser catalogadas e fazem parte de um projecto desenvolvido pelo professor André Lúcio Bento, especialista em cultura afro-brasileira e africana e doutor em linguística.Para além de localizar os imbondeiros, André Lúcio Bento também realizou, em 2019, a plantação de imbondeiros no seu local de trabalho.

Até agora já foram identificados pelo menos 49 baobás somente no Distrito Federal, mas o projecto já conta com a participação de outros moradores da região que também estão engajados em catalogar os imbondeiros. Essa espécie tem um significado importante para a cultura negra, porque representa, a um só tempo, a força milenar, a tradição e a ancestralidade dos povos de Angola e de outras nações do continente africano.

Segundo o professor André Lúcio, a escolha de pesquisar os baobás tem o objectivo de promover a discussão sobre a educação para as relações étnico-raciais, um dos eixos curriculares das escolas públicas do Distrito Federal, no Brasil. “A escolha dos baobás ocorreu em razão da centralidade que essa árvore ocupa no campo social, religioso e cultural dos povos tradicionais africanos.

Além disso, os baobás existentes no Brasil são, em grande parte, resquícios da diáspora africana”, afirma. O pesquisador explica, ainda, que os primeiros baobás chegaram ao Brasil nos porões dos navios negreiros, que traziam pessoas escravizadas para o trabalho forçado em terras brasileiras durante o período da Escravidão no Brasil.

Após a conclusão do mapeamento dos baobás será produzido um relatório que deverá ser entregue à Secretaria de Meio Ambiente e aos órgãos responsáveis pelas questões ambientais no governo brasileiro, no sentido de solicitar apoio para preservação dessas árvores e também para transformá-las em património cultural da Humanidade.

Para o director do Centro Cultural Casa de Angola na Bahia, Benjamim Sabby, o projecto de catalogação dos baobás é importante porque permite um outro olhar sobre a cultura africana. “A visibilidade desse projecto é também uma oportunidade para que os brasileiros possam conhecer melhor o continente africano e suas diversas culturas. É preciso entender que na África se produz cultura e ciência e, por isso, essa estudo sobre os baobás trazem mais conhecimento sobre nossa realidade”, afirma Benjamim Sabby.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.