- Publicidade-
InicioMundoEuropaFrança: Trabalhadores sazonais de Lourdes pedem “ano branco” ao executivo

França: Trabalhadores sazonais de Lourdes pedem “ano branco” ao executivo

Os trabalhadores sazonais de Lourdes pedem um “ano branco” ao executivo. Querem que o governo francês prolongue por, pelo menos, mais um ano os direitos adquiridos de fundo desemprego. Sem turistas e com uma perda de 92% da actividade, a situação na segunda cidade francesa com maior capacidade de alojamento é catastrófica.

Os primeiros a pagar a factura são os trabalhadores sazonais. Devido à pandemia, a maioria não trabalha desde Outubro de 2019, uma vez que em 2020 não renovou o contrato de trabalho.

Dos 2600 trabalhadores sazonais de Lourdes cerca de 600 são portugueses.

Para tentar responder à precária situação que vivem os trabalhadores sazonais, foi criada, já depois do início da pandemia, a Associação dos Trabalhadores Sazonais de Lourdes e da Vallée (ASLV).

Ao microfone da RFI, Manuela Gonçalves, vice-presidente da Associação dos Trabalhadores Sazonais de Lourdes, relatou “uma situação crítica. Estamos parados há mais de um ano. Há pessoas que já perderam os direitos de desemprego e outras que estão prestes a perdê-los. Temos agregados familiares (por exemplo um casal com dois ou três filhos) [a viver] com um subsídio de desemprego. Temos pessoas a receber o RSA [Rendimento de Solidariedade Activa]. (…) E este ano ninguém tem certeza se vamos poder ou não trabalhar”.

“A nossa batalha sempre foi o “ano branco”, ou seja, continuávamos a receber o [subsídio de] desemprego mas não nos retiravam os direitos. Porque fomos impedidos de trabalhar. A culpa não é do Estado, mas também não é nossa”, acrescentou a portuguesa que trabalha há dois anos na cidade mariana.

“Queremos um estatuto para os trabalhadores sazonais, não temos nada que salvaguarde os nossos direitos. O que todos nós desejamos não são ajudas, desejamos trabalhar”, concluiu Manuela Gonçalves.

Lourdes é o quarto santuário católico mais visitado do mundo, com mais de 6 milhões de peregrinos por ano.

- Publicidade -
FonteRFI
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.