- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Cabo Delgado: Escassez de alimentos desespera a população em Palma

Cabo Delgado: Escassez de alimentos desespera a população em Palma

Palma, o distrito dos megaprojectos bilionários de gás natural em Cabo Delgado, está a enfrentar uma aguda escassez de alimentos básicos, provocando um desespero na população, que não pode se movimentar por via marítima ou terrestre, devido à insegurança.

Alguns moradores disseram à VOA que, nos últimos três anos, nada colhem no campos agrícolas colheita, por causa da combinação seca e insegurança.

Neste distrito, onde predomina a agricultura de subsistência, a situação foi agravada pela falta de reabastecimento de produtos básicos, na sequência de ataques a viaturas de passageiros e mercadorias no troço Nangade-Palma, a única via transitável depois dos insurgentes tomarem o controle da N380, a principal estrada de asfalto.

Antes, as autoridades tinham proibido a navegação de embarcações artesanais, que geralmente carregavam mantimentos de Pemba, capital da província, para Palma, por receio dos insurgentes se misturarem com a população, o que fez disparar o preço dos poucos produtos que ainda existiam no mercado informal.

Num vídeo posto a circular nas redes sociais na semana passada vê-se a população a disputar espaço para comprar “caracata”, farinha feita à base de mandioca seca, aparentando uam qualidade deplorável.

Especulação

“Esta luta que estão a ver é por causa de comida, o distrito de Palma esta mal” diz um dos interlocutores no vídeo, que pede o levantamento do embargo da navegação dos barcos artesanais para “reabastecer o distrito”.

Na sexta-feira, 26 de Fevereiro, Palma recebeu o primeiro navio com produtos alimentares vindo de Pemba, num esforço do Governo e o conselho empresarial local para acudir a situação, mas os poucos produtos até agora disponíveis são vendidos a um preço especulado até quatro vezes do médio.

“Eu cheguei a comprar uma cebola a 50 meticais (USD 0,6 centavos)” disse à VOA Issa Mário, para quem a escassez de alimentos torna “insustentável” a permanência em Palma.

“Estamos mal nós aqui, não sabemos quando e como será o fim destas coisas todas” disse outra moradora local, que pediu anonimato. “Não há rico ou pobre, todos estamos a passar fome”.

Novos ataques

Entretanto, o distrito de Palma e Nangade voltaram a assistir, na semana passada uma nova sequência de ataques de insurgentes, após relativo interregno, provocando a morte de 14 pessoas, três das quais por decapitação.

A 25 de Fevereiro, os insurgentes atacaram a aldeia Unidade, cerca de 10 quilómetros da sede do distrito de Nangade, tendo matado quatro pessoas e ferido uma.

Dois dias antes, três pessoas tinham sido decapitadas num ataque do grupo rebelde a aldeia de Ngalonga (Nangade).

Ainda a 22 de Fevereiro, um ataque de insurgentes provocou a morte de quatro pessoas no posto administrativo de Quionga, no distrito de Palma. E outras três pessoas morreram atingidas por disparos de insurgentes durante a invasão da aldeia Quirinde, também em Palma.

Estes ataques forçaram centenas de pessoas a abandonar as suas zonas de residência.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.