- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Centenas fazem fila para assinar livro de condolências de Daviz Simango

Centenas fazem fila para assinar livro de condolências de Daviz Simango

Centenas de pessoas formaram fila na praça do município, no centro da cidade da Beira e noutros vários bairros da urbe, para deixar uma mensagem e assinar o livro de condolências em memória de Daviz Simango, o autarca local que morreu por doença num hospital privado na África do Sul na segunda-feira, 22.

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceira força política moçambicana, que Daviz Simango fundou em 2009, após romper com a Renamo disponibilizou livros de condolências na Beira, o bastião do partido e, em várias cidades moçambicanas para “mensagens de conforto e solidariedade”.

Na praça do município, adjacente ao gabinete do autarca, o local que assistiu à maior afluência para a assinatura do livro de condolências, vários munícipes qualificaram Daviz Simango como o “resgatador da dignidade” da cidade e “defensor da democracia desarmada” de Moçambique.

“A cidade estava fora do normal quando Daviz Simango a assumiu e em poucos anos erradicou o fecalismo a céu aberto e a cólera e introduziu uma cultura e postura da cidade que temos hoje. Ele resgatou a nossa dignidade”, disse Raimundo Mulope, após assinar o livro de condolências do seu “herói”.

Mulope, à semelhança de outros munícipes receia o desvirtuamento da gestão municipal e o recuo no avanço até agora alcançado, por isso apela que os próximos gestores sejam decisivos no cumprimento do plano municipal e dos ideais de Daviz Simango.

“O próximo edil devia ser forte para permanecer a marca de Daviz Simango, sabemos que não vai chegar no seu carisma, mas que deia continuidade com a mesma visibilidade e transparência da gestão da coisa publica” frisou Simão Massinga, morador da Munhava.

Para muitos entrevistados, a morte de Daviz Simango estremece a democracia moçambicana, visto que o autarca, “lutava para uma democracia genuína” e não de obediência as “armas”.

“O Daviz era o pilar e nós esperamos que o seu conjunto (equipa) pegasse o programa quinquenal para que Beira continue a Beira que queremos. Estamos num nível em que quase ninguém reclama, e gostaríamos que haja a mesma gestão”. disse Manuel Jofrisse.

Estátua para Daviz Simango

Entretanto, os munícipes da Beira defendem que a cidade deve agora entrar numa corrente de acções para imortalizar a obra de Daviz Simango, incluindo a edificação de uma estátua em seu memorial e garantir que a cidade não regride em todas as vertentes.

“Na cidade da Beira deveria existir uma estátua com o nome Daviz Simango, em sua homenagem e quem for a dar continuidade o seu trabalho seguir bem os seus passos, e não deixar que os problemas políticos que ele sabia bem gerir afetem a cidade e província”, defende Simão Massinga.

Outro munícipe, Alfredo Mateus observa que se “deixarmos a cidade partir para trás significa que não estaremos a imortalizar o trabalho de Daviz Simango e não éramos escudos, para a defesa da nossa dignidade”.

A urna com o corpo do autarca chega à cidade da Beira ao meio-dia desta quinta-feira, 25, para a cerimónia de estado, segundo fontes familiares e partidárias.

A data do funeral ainda não é conhecida.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.