- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Explosão de uma viatura faz sete mortes no Níger

Explosão de uma viatura faz sete mortes no Níger

Sete membros locais da Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) do Níger morreram, ontem, quando a viatura onde seguiam explodiu, após accionar uma mina na região de Tillabéri (oeste do país), anunciou o governador à France-Presse.

“Recebi a informação por volta do meio-dia(mesma hora em Angola). Houve sete mortos quando o veículo accionou uma mina”, afirmou Tidjani Ibrahim Katiella, referindo que as vítimas são “presidentes de assembleias de voto e seus secretários”, recrutados pela CENI.

O incidente, que ocorreu em Waraou, localidade situada no município de Dargol, na região de Tillabéri, a cerca de cem quilómetros de Niamey, capital do país, área conhecida como “três fronteiras” (entre Níger, Mali e Burkina Faso), provocou ainda três feridos.

O veículo tinha sido alugado pela CENI de Tillabéri para transportar funcionários, para fiscalizar a segunda volta das eleições presidenciais, que se realizou ontem.

No início de Janeiro, após a primeira volta das eleições presidenciais, cem pessoas foram mortas no ataque a duas aldeias na região de Tillabéri, um dos piores massacres de civis neste país do Sahel regularmente alvo de grupos ‘jihadistas’. O duplo ataque foi cometido por terroristas que se faziam transportar em motos, segundo as autoridades nigerinas. A região de Tillabéri está em estado de emergência desde 2017.

Na tentativa de lutar contra os ‘jihadistas’, as autoridades proibiram o trânsito de motos em todo o país durante um ano e ordenaram o encerramento de alguns mercados suspeitos de abastecer terroristas. A segunda volta das eleições presidenciais é disputada por Mohamed Bazoum, o candidato considerado favorito, e o ex-Presidente Mahamane Ousmane.

No Níger, um dos países mais pobres do mundo, estão registados 7,4 milhões de eleitores. Um dos principais desafios do próximo Presidente será a contenção dos ataques ‘jihadistas’, que mataram centenas de pessoas desde 2010, mais de uma centena nos primeiros dias de Janeiro deste ano, e desalojaram à força das suas aldeias cerca de 500 mil pessoas, de acordo com as Nações Unidas (mais de 300 mil refugiados e deslocados no leste, junto à fronteira com a Nigéria, mais de 160 mil no oeste, junto às fronteiras com a Mali e o Burkina Faso).

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.