- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Concurso para administração de maior mercado de Benguela rodeado de suspeitas

Concurso para administração de maior mercado de Benguela rodeado de suspeitas

Dois dos sete concorrentes à gestão do maior mercado informal da província de Benguela impugnaram o resultado do concurso público alegadamente ganho pela companhia Loog Act2 Lda., criada depois da rescisão do contrato entre a Administração Municipal de Benguela e a anterior gestora, a Trans Maya.

A data de criação da empresa vencedora, ainda à espera de registo em Diário da República (RD), é a principal fonte de suspeições de tráfico de influência no concurso.

A empresa “O País da Vontade”, uma das concorrentes, continua à espera do resultado de um protesto movido por supostas irregularidades, mas a coordenação do concurso público apresenta já um vencedor.

O seu responsável aguarda pelo momento oportuno para prestar declarações, enquanto outras fontes dizem acreditar que a Look ACT2 tenha sido criada apenas por apetência pela receita de 15 milhões de kwanzas/mês, num exercício com cobertura de governantes.

Jurista Chipilica Eduardo sugere uma intervenção da Procuradoria-Geral da República (PGR) para investigar o caso

‘’Não se deve criar uma empresa com o propósito único de participar no concurso, põe em causa a transparência”, disse o jurista para quem “é necessário sabermos quem são as pessoas directa e indirectamente ligadas à empresa, que nem sequer tem histórico’’.

Chipilica acrescenta haver ‘’indícios de ‘jogo escuro’, que pedem uma intervenção da PGR’’.

A empresa vencedora vai colocar no tesouro nacional cinco milhões de kwanzas/mês, ficando com lucros de 10 milhões, também para obras de requalificação do mercado nos próximos três anos, conforme reza o contrato.

O presidente da Comissão de Avaliação, Gabriel Avelino, evitou falar na questão dos números, ainda que perante a insistência dos jornalistas, afirmando que “a expectativa é maior transparência, queremos contribuir para o desenvolvimento de Angola’’.

O empresário Hangulo Américo, sócio de Costa Alfeu na Look ACT2, preferiu não abordar o assunto.

O Serviço de Investigação Criminal (SIC), que esteve na instrução do processo-crime relativo ao antigo administrador, Carlos Guardado, estima em cerca de 900 milhões de kwanzas o valor desviado da praça nos últimos 10 anos.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.