- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Europa Polícia alemã alerta para aumento da hostilidade de negacionistas

Polícia alemã alerta para aumento da hostilidade de negacionistas

Sem detalhar números, chefe da polícia federal alemã diz que políticos, virologistas e jornalistas são alvo cada vez mais frequente de ameaças por parte de negacionistas da covid-19 no país. “Observamos com preocupação.”

O chefe do Departamento Federal de Investigações da Alemanha (BKA, na sigla em alemão), a polícia federal do país, alertou que políticos, virologistas e jornalistas têm sido alvo de “hostilidades crescentes” por parte de negacionistas da covid-19 em território alemão.

“Observamos com preocupação que o número de ameaças e hostilidades está aumentando constantemente”, afirmou Holger Münch à revista Der Spiegel no sábado (06/02). “Isso afeta políticos, mas também outras pessoas, como virologistas, que estão particularmente presentes na mídia durante a pandemia.”

Sem dar detalhes sobre números de casos, Münch acrescentou que “com cada vez mais frequência registramos ataques também contra jornalistas. A emocionalização é grande.”

O BKA, com sede em Wiesbaden, é responsável pelas principais investigações em toda a Alemanha, além das conduzidas pelas forças policiais nos 16 estados do país.

Em meio à ameaça, o órgão reforçou as medidas de segurança para detentores de cargos políticos, em coordenação com os 16 estados, informou Münch na entrevista.

Segundo ele, os policiais federais – metade dos quais está trabalhando em suas investigações a partir de casa por conta da pandemia – estão analisando a cena negacionista “muito de perto”. Interrogatórios com suspeitos estão sendo realizados, e “debates emocionais” nas redes sociais também estão sendo considerados.

O chefe do BKA observou que o movimento negacionista do coronavírus mistura teóricos da conspiração e pensadores esotéricos, mas também extremistas de direita e os chamados “cidadãos do Reich”, que questionam a existência da República Federal da Alemanha como Estado legítimo e soberano, rejeitando seu sistema legal.

No ano passado, esses grupos contrários às medidas restritivas impostas pelos governos para conter a pandemias estiveram reunidos em protestos em cidades como Berlim e Leipzig.

Em Agosto, negacionistas radicais chegaram a invadir as escadarias do Reichstag, prédio do Parlamento alemão em Berlim, gerando uma onda de condenações por parte de políticos, e levando também a um reforço na segurança de vários prédios simbólicos.

Crimes contra políticos duplicaram em dois anos
Em um relatório paralelo divulgado no sábado, o Ministério do Interior alemão revelou, a pedido do partido A Esquerda, que o número de crimes contra políticos duplicou entre 2018 e 2020.

As autoridades de segurança da Alemanha registraram 2.629 crimes contra detentores de cargos políticos, segundo dados preliminares. Em metade desses casos, ainda não foi classificado se o crime teve origem em círculos de direita ou esquerda, religiosos ou anti estrangeiros.

Entre a outra metade já classificada, 902 crimes tiveram motivação política de extrema direita, e 370, de extrema esquerda. Outros 374 crimes foram relacionados ao coronavírus, notadamente ligados a medidas de restrição para conter o avanço da doença.

Em comparação, em 2018 foram registrados 1.256 crimes contra políticos; e em 2019, esse número saltou para 1.674 infrações.

Em 2020, quase metade dos crimes computados foi registrada como comportamento insultuoso, seguido de intimidação e ameaças, depois danos à propriedade e incitação à agitação civil.

Actos de violência direta totalizaram 78, incluindo 48 casos de extorsão, 17 casos de lesão corporal, sete casos de incêndio criminoso, uma tentativa de homicídio e um envolvendo explosivos.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.