- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Outras Lançando as sementes da agricultura industrial em Moçambique

Lançando as sementes da agricultura industrial em Moçambique

A agricultura comercial é um dos sectores de maior crescimento em Moçambique, mas apenas 16% da terra adequada para a agricultura está a ser cultivada.

Com vales fluviais férteis, extensas planícies costeiras e o produtivo rio Zambeze como fonte de irrigação, Moçambique é considerado uma  meca para o cultivo de colheitas, com condições climáticas que atendem a uma gama diversificada de produtos agrícolas.

A agricultura representa o segundo maior seCtor da economia moçambicana, sendo responsável por mais de 25% do PIB e empregando 80% da mão-de-obra, e é apoiada por colheitas essenciais, incluindo milho, mandioca, arroz, nozes, algodão, café, açúcar e tabaco.

O milho e a mandioca, por exemplo, são cultivados por 80% de todos os pequenos agricultores moçambicanos e representam mais de um terço das terras cultivadas. No entanto, o sector permanece confinado à agricultura de subsistência, em grande parte devido à falta de investimento, o que impede o desenvolvimento da infraestrutura essencial necessária para expandir as práticas agrícolas para além de cada família.

Na verdade, os pequenos agricultores em Moçambique representam 95% da produção agrícola, enquanto que cerca de 400 agricultores comerciais, que produzem principalmente açúcar, soja, banana, arroz, vegetais, nozes, algodão e tabaco, representam os restantes cinco por cento.

Com apenas 16% da terra adequada para a agricultura atualmente a ser cultivada, combinada com uma costa de cerca de 2400 quilómetros que permite a exportação para os mercados do Médio Oriente e da Ásia através de portos marítimos, Moçambique possui um potencial considerável para a agricultura industrializada em larga escala, tanto no país como para exportação regional.

De importador líquido a exportador líquido

Um constrangimento fundamental para o desenvolvimento da agricultura comercial em Moçambique é a infraestrutura limitada: estradas, caminhos-de-ferro e portos insuficientes, práticas agrícolas antiquadas e alta vulnerabilidade à seca, cheias e ciclones, deixando o setor suscetível a choques externos.

Embora a descoberta de gás moçambicano tenha acelerado o crescimento da infraestrutura energética desde que as reservas comerciais foram encontradas em 2011, os setores de transporte e logística nacionais permanecem subdesenvolvidos, conduzindo a prazos de entrega mais longos e a custos mais elevados associados ao armazenamento.

Além disso, o acesso limitado à eletricidade e os preços elevados do combustível, tendo em conta que o país depende de derivados de petróleo refinados importados, podem aumentar os custos do produto em 10-20% por quilograma.

Para tornar os pequenos agricultores mais resilientes às mudanças climáticas e melhorar as técnicas agrícolas, foram implementadas tecnologias inteligentes de recursos, como sistemas de gotejamento, bombas, filtragem de plástico ultravioleta e armazenamento pós-colheita, tendo obtido um sucesso intermédio, mas continua a ser necessária uma transmissão sustentada de conhecimentos e tecnologia.

Apesar do seu considerável potencial de exportação para toda a região, Moçambique possui um défice comercial significativo, importando bens de capital intensivo, como agricultura e equipamento de transporte, em conjunto com produtos transformados, carne e gado dos seus vizinhos da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral.

Como resultado, as cadeias de valor integradas que facilitam a produção de colheitas comerciais, por exemplo do caju, do tabaco e do açúcar, geram valor no país ao refinar produtos agrícolas brutos em produtos de consumo e ao estabelecer mercados de consumo nacional e regional no processo.

O acesso melhorado a serviços financeiros e crédito, em que os pequenos agricultores e as pequenas e médias empresas podem expandir os seus negócios e ter acesso a capital essencial para tecnologias agrícolas atualizadas, também serviria para aliviar a pobreza rural e promover a inclusão financeira.

Gás natural para impulsionar a expansão

As iniciativas em curso de rentabilização do gás em Moçambique têm um impacto direto na escala e expansão da agricultura industrial no país, para além do potencial que o gás convertido em energia oferece para alimentar bombas de irrigação, colheitas secas, estufas de calor e assim por diante.

Sob a administração do Presidente Filipe Nyusi, o gás natural tem sido posicionado não como um fim em si mesmo, mas como um meio de gerar diversificação económica a longo prazo, desenvolvimento de competências e criação de empregos nos setores da energia, agricultura, transformação de produtos agrícolas, indústria e construção.

O foco do presidente Nyusi na agroindústria e na agroquímica pretende alcançar a “fome zero” no país através do cultivo de uma agricultura autossuficiente e de um acesso melhorado a infraestruturas.

Mais especificamente, o gás natural oferece a capacidade de reduzir custos de produção (e importação) de alimentos e estabelecer uma agricultura industrial em larga escala através do desenvolvimento de fertilizantes químicos fabricados localmente.

O gás natural, do qual Moçambique detém 100 biliões de pés cúbicos de reservas recuperáveis, desempenha um papel fundamental na produção de fertilizantes, visto que é usado como matéria-prima principal para a produção de amoníaco líquido e do dióxido de carbono resultante, que é depois combinado para criar fertilizante à base de ureia.

A fertilização não só melhora o rendimento das colheitas, mas também aumenta a rentabilidade agrícola e a densidade dos nutrientes. Com a maior eficiência das colheitas e as primeiras sementes de uma indústria a jusante e transformadora, Moçambique poderia servir como um interveniente regional, e até internacional, na produção e segurança alimentar, uma transição facilitada pela Área de Comércio Livre Continental Africana que amplia o alcance da agricultura e indústria nacionais.

Para os países africanos dependentes da importação, como Moçambique, a segurança alimentar e energética entrou para o primeiro plano da agenda nacional na sequência da COVID-19 e das interrupções nas cadeias de abastecimento regionais e mundiais.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.