- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Portugal e Moçambique preparam novo programa de cooperação militar

Portugal e Moçambique preparam novo programa de cooperação militar

Combate aos grupos em Cabo Delgado será prioridade de novo acordo de cooperação militar que sucederá ao de 2018. Este útiimo termina em fecereiro de 2020, mas deverá ser prontamente sucedido por um novo pacto.

Portugal e Moçambique estão a estudar ações de formação que possam beneficiar as forças moçambicanas no novo programa de cooperação militar entre os dois países, disse, esta quinta feira, (28.01), o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) português, almirante António Silva Ribeiro.

“Estamos a trabalhar com as autoridades moçambicanas para desenvolver novas ações de formação” que promovam “desempenhos operacionais acrescidos em termos das necessidades de Moçambique”, referiu Ribeiro, no final de uma desloccação de dois dias a Moçambique.

A visita a Maputo serviu para analisar “do ponto de vista técnico essas possibilidades de reforço da cooperação militar portuguesa em Moçambique”. A deslocação sucede à do ministro português da Defesa, João Gomes Cravinho, em dezembro, para preparar o próximo programa quadro de cooperação militar.

Moçambique e Portugal têm um acordo de cooperação na área da defesa desde 1988. Nesse âmbito, o programa em vigor arrancou em 2018 e termina em fevereiro, pelo que um novo acordo vai ser assinado “a breve prazo”, referiu o CEMGFA.

Capacitação de militares
Uma equipa técnica vai permanecer em Maputo para preparação do ptograma,

Gomes Cravinho sinalizou em dezembro, após encontros com as autoridades moçambicanas, que Portugal vai apoiar Moçambique na organização logística e capacitação de militares para fazer face a grupos rebeldes que têm protagonizado ataques armados na província de Cabo Delgado.

Segundo o governante português, a formação, a ser feita em Moçambique, vai abranger as forças de intervenção rápida, forças especiais, fuzileiros e militares da área do controlo aéreo tático, tendo sido definidas como “áreas de interesse específico” a ciberdefesa, a cartografia, a hidrografia e a cooperação industrial de defesa.

“Nós estamos a falar de uma missão não executiva. O que nós vamos fazer é dar apoio às autoridades moçambicanas para que elas possam exercer a sua soberania”, frisou na altura João Gomes Cravinho.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.