- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo EUA Diplomata escolhida por Biden para ONU aponta baterias contra agenda autoritária da...

Diplomata escolhida por Biden para ONU aponta baterias contra agenda autoritária da China

Linda Thomas-Greenfield defende alianças e forte presença diplomática global para combater a China e denuncia ausência da Administração Trump

A diplomata Linda Thomas-Greenfield, escolhida pelo Presidente americano Joe Biden para liderar a representação de Washington junto das Nações Unidas, assegura que vai trabalhar com os aliados dos Estados Unidos para fazer frente ao que chamou de agenda autoritária da China.

Thomas-Greenfield fez estas declarações no Comité de Relações Exteriores do Senado, que deve ratificar o seu nome, e na audiência reiterou que a Administração Trump enfraqueceu as alianças internacionais.

“Se sairmos de cena e permitirmos que outros preencham o vazio, a comunidade global sofre e sofrem também os interesses americanos”, disse a antiga sub-secretária de Estado para Assuntos Africanos no Governo de Barack Obama, quem alertou que “a China está a trabalhar em todo o sistema da ONU para impulsionar uma agenda autoritária que se opõe aos valores fundadores da instituição, os valores americanos”.

Thomas-Greenfield afirmou ante os senadores que “o sucesso deles (China) depende de nossa retirada e isso não vai acontecer no meu turno”.

“Quando a América se afirma, quando somos consistentes e persistentes, quando exercemos a nossa influência de acordo com os nossos valores, as Nações Unidas podem ser uma instituição indispensável para promover a paz, segurança e bem-estar colectivo”, sublinhou a diplomata.

Com mais de 30 anos de carreira, na qual aprendeu, segundo disse, “que diplomacia eficaz significa mais do que apertar as mãos e organizar sessões fotográficas”, explicou que há que desenvolver relacionamentos reais e robustos, “encontrar um terreno comum e gerir pontos de diferenciação”.

Linda Thomas-Greenfield tem uma longa trajectória na diplomacia como sub-secretária adjunta do Escritório de População, Refugiados e Migração (2004-2006), embaixadora na Libéria (2008–2012), directora geral dos Serviços de Relações Exteriores e directora de Recursos Humanos (2012–2013), além de cargos nas representações diplomáticas dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Paquistão, Quénia , Gâmbia , Nigéria e Jamaica.

De 2013 a 2017, ela foi sub-secretária de Estado para Assuntos Africanos, tendo sido demitida pelo Presidente Trump juntamente com vários outros profissionais de carreira.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.