- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Europa Reino Unido espera que “Brexit” favoreça parceiros africanos

Reino Unido espera que “Brexit” favoreça parceiros africanos

Reino Unido diz que será possível proteger interesses de parceiros e estabelecer política comercial mais justa com África. Analistas consideram que crise provocada pela pandemia e pelo “Brexit” pode frustrar expectativa.

Governo da Grã-Bretanha adotou um discurso otimista perante os países africanos após o “Brexit” – a sua saída da União Europeia (UE). As relações comerciais entre África e Reino Unido, de um modo geral, não sofrerão dificuldades expressivas nesta nova era da economia britânica. Pelo contrário, Londres afirma que a Grã-Bretanha poderá aumentar os seus investimentos no continente africano.

Na sequência da última cimeira anual Reino Unidos-África, a Grã Bretanha anunciou investimentos de mais de 7 mil milhões de euros. O objetivo seria recuperar boa parte da importância comercial que os britânicos tinham nos tempos do império colonial.

O professor alemão Dirk Kohnert, que há anos estuda o assunto, mostra-se, no entanto, bastante cético quanto à possibilidade da Grã-Bretanha vir a cumprir o que prometera na última cimeira com os países africanos

“A crise económica na sequência da pandemia de corona, assim como as próprias consequências do “Brexit”, dificultarão que a Grã-Bretanha cumpra as suas generosas promessas”, explica.

Irão países africanos beneficiar de acordos comerciais bilaterais com o Reino Unido?
(DR)

Como fica a Commonwealth
O professor alemão Rolf Langhammer, perito em Comércio Internacional, concorda com o colega: “A crise contribuirá para uma acentuada diminuição das importações britânicas, e isso não deixará de ter consequências também em África.”

Para a maioria dos países africanos que fazem parte da comunidade anglófona “Commonwealth” – que inclui 19 dos 54 estados africanos – o Reino Unido é de longe o maior mercado para suas exportações.

Londres argumenta que a sua nova política comercial protegerá melhor os interesses de todos os países africanos – não apenas os anglófonos. Também afirma que a política comercial britânica com África deve ser mais justa do que a da União Europeia.

Segundo Melanie Hoffmann, especialista em alfândega da agência de comércio exterior alemã GTAI, de fato, ao deixar a UE, os britânicos poderiam negociar seus próprios acordos de livre comércio e, assim, pelo menos teoricamente, adaptarem-se melhor aos interesses do respetivo país parceiro.

Alguns desses acordos comerciais anglo-africanos já entraram em vigor em 1 de Janeiro.
(DR)

Novos acordos
Alguns desses acordos comerciais anglo-africanos já entraram em vigor em 1 de janeiro. Mas estes acordos não são contratos com regras completamente diferentes. Pelo contrário, os britânicos simplesmente adotaram os acordos existentes com a UE para certos grupos de países africanos, convertendo-os em acordos bilaterais entre o Reino Unido e os respectivos Estados africanos.

“Um exemplo é o acordo de parceria econômica com alguns países da África oriental e meridional, como Madagascar, Ilhas Maurícias, Seychelles e Zimbábue, África do Sul, Botswana, Namíbia e Moçambique. Nestes casos, os regulamentos já em vigor com a UE foram transferidos para a Grã-Bretanha.

Hoffmann acrescenta que o Reino Unido ainda está a negociar um acordo de parceria econômica semelhante com o Gana.

Um problema em relação ao “Brexit” é atualmente a Nigéria. Segundo Kohnert, até agora, não foi concluído qualquer novo acordo comercial como este que é o país mais populoso do continente.

“Mais cedo ou mais tarde a Grã-Bretanha e a Nigéria chegarão a um acordo comercial bilateral. Alguns nigerianos ricos até sairão beneficiados com o “Brexit”. Os pobres, por outro lado, provavelmente vão sofrer”, opina.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.