- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade Hospital do Kapalanga sem água potável há seis meses devido ao "garimpo"...

Hospital do Kapalanga sem água potável há seis meses devido ao “garimpo” na conduta pelos vizinhos

O Hospital Municipal do Kapalanga está sem água há seis meses porque os moradores nas imediações fizeram centenas de ligações “pirata”, impedindo o fluxo normal para esta unidade de saúde essencial para milhares de pessoas que habitam em Viana, Luanda.

A informação foi avançada ao Novo Jornal pelo director-geral do Hospital de Kapalanga, Luís Domingos, explicando ainda que o fornecimento de água é agora feito diariamente por camiões cisternas com o apoio da administração municipal de Viana e parceiros, mas assegura que o abastecimento não é suficiente para as necessidades que o hospital tem.

“Para o funcionamento normal do Hospital Municipal do Kapalanga precisamos diariamente de mais de 300 mil litros de água. Recebemos diariamente da administração municipal de Viana e parceiros 170 mil litros, o que não cobre um dia sequer”, disse Luís Domingos.

Segundo o director-geral do Hospital Municipal do Kapalanga, esta situação cria muitos transtornos no funcionamento da unidade, uma vez que quase toda a água abastecida pelos camiões cisternas ao hospital é consumida pela lavandaria.

Luís Domingos salientou que há cerca de seis meses que o hospital deixou de receber água de rede pública porque a conduta que abastece o hospital foi vandalizada no seu percurso por vários moradores que fizeram ligações anárquicas.

“Antes da vandalização, o hospital recebia a água de forma normal e não tínhamos os problemas que vivemos hoje, até porque a unidade não recebe água mas nos arredores há água corrente”, explicou.

De acordo com este responsável, apesar de estar a ajudar a pouca água que recebem da administração de Viana e parceiros, o laboratório do hospital trabalha com limitações, porque precisa mesmo da água corrente nas 24 horas do dia.

No entanto, alguns pacientes e acompanhantes que se deslocam à unidade hospitalar, dizem que há falta de higiene nas casas de banho devido à carência de água corrente.

“Por falta de água nas casas de banho, muitos pacientes não encontram alternativa para as necessidades fisiológicas e acabam por fazê-las em sacos plástico e em baldes”, disse ao Novo Jornal sob anonimato um técnico de saúde daquele hospital.

Sobre o assunto, o Novo Jornal contactou administração municipal de Viana, assim como a Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL) mas não obteve resposta das duas instituições.

- Publicidade -
FonteNJ
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.