- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Democratas pressionam impeachment de Trump

Democratas pressionam impeachment de Trump

Os democratas na Câmara dos Representantes dos EUA avançaram no domingo para a destituição (impeachment) de Donald Trump nos últimos dias de sua presidência, alegando que ele deveria ser responsabilizado pela confusão da última quarta-feira que deixou cinco pessoas mortas no Capitólio dos EUA quando uma multidão de partidários de Trump passou pela polícia e entrou dentro do prédio.

Nenhuma decisão final foi tomada, mas a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, poderia apresentar uma resolução de destituição na segunda-feira acusando Trump de incitar uma insurreição em um esforço inútil para impedir o Congresso de certificar o voto do Colégio Eleitoral a favor do presidente eleito Joe Biden.

Biden assumiu uma posição neutra no movimento de destituição contra o presidente cessante, que ainda não concedeu a eleição, mas reconheceu que haverá um “novo governo” em Washington a 20 de janeiro.

“Em 10 dias, avançamos e reconstruímos – juntos”, disse Biden no domingo no Twitter. Um dos principais adjuntos de Pelosi no Congresso, o congressista Jim Clyburn da Carolina do Sul, disse ao programa “Fox News Sunday” que a Câmara poderia votar a destituição em poucos dias, embora a presidência de Trump de quatro anos termine na próxima semana com a posse de Biden, que derrotou Trump nas eleições de novembro, e a vice-presidente eleita Kamala Harris.

Pouco provável que Senado realize julgamento

Dado que Trump deixará o cargo dentro de alguns dias, há pouca probabilidade de que o Senado realize um julgamento de destituição antes do término de seu mandato, embora possa fazê-lo depois que ele sair e, se for condenado, impedi-lo de exercer um cargo federal novamente. Mas Clyburn disse que a urgência de destituição de Trump pela segunda vez é primordial, separada da absolvição do Senado em fevereiro passado por alegações de que ele pressionou a Ucrânia a desenterrar informaçōes negativas sobre Biden antes das eleições de novembro.

Clyburn reconheceu que iniciar o processo de destituição pode desviar a atenção da confirmação das escolhas do Gabinete de Biden no Senado, o esforço do novo presidente para impulsionar a economia dos EUA em declínio e aumentar a vacinação dos americanos contra o coronavírus.

A infecção já matou mais de 373.000 pessoas nos Estados Unidos e infectou 22,2 milhões, de acordo com os últimos dados da Universidade Johns Hopkins.

Em entrevista separada à CNN, ele sugeriu que a Câmara poderia votar pela destituição de Trump e, em seguida, atrasar o envio do caso ao Senado para julgamento até depois dos primeiros 100 dias do novo presidente no cargo.

Democratas aquém dos números necessários

A congressista democrata Ilhan Omar, de Minnesota, crítica de longa data de Trump, disse que apresentaria dois artigos de destituição contra Trump na segunda-feira por “abuso de poder” por pressionar autoridades eleitorais no estado da Geórgia a anular a vitória de Biden no estado e ” incitação à violência por orquestrar uma tentativa de golpe contra nosso país ”com o assalto ao Capitólio.

Pelo menos 180 democratas da Câmara assinaram o esforço de destituição, mas que fica aquém da maioria de 218 na Câmara de 435 membros, e nenhum republicano expressou o seu apoio. Cerca de dois terços da bancada republicana na Câmara votaram na semana passada contra a aceitação dos resultados da eleição no estado da Pensilvânia, um entre meia dúzia de estados que Biden venceu por escassa margem para conquistar a presidência.

Silêncio da Casa Branca

Trump e a Casa Branca permaneceram silenciosos sobre a possível destituição. A Casa Branca diz que Trump está programado para visitar o Texas na terça-feira para destacar o trabalho de seu governo na construção do muro de fronteira que separa os EUA do México.

O senador republicano Roy Blunt, um republicano do Missouri e chefe do comité que planeia a posse de Biden, disse ao programa “Face the Nation” da CBS News que a destituição de Trump “claramente não vai acontecer entre agora e o último dia em que ele assumir o cargo . ”

Dois senadores republicanos, Lisa Murkowski do Alasca e Pat Toomey da Pensilvânia, pediram a renúncia de Trump, mas o presidente disse a assessores que não planeia fazê-lo.

“Eu acho que nesta altura, quando restam apenas alguns dias, é o melhor caminho a seguir, a melhor maneira de colocar essa pessoa para tras de nós”, disse Toomey no domingo na CNN, pedindo que Trump saisse voluntariamente . “Isso pode acontecer imediatamente. Não estou otimista quanto a isso. ” “Ele desceu a um nível de loucura e envolveu-se em atividades que eram absolutamente impensáveis e imperdoáveis.

O “canal da dissidência” dos diplomata

O ex-chefe de gabinete em exercício da Casa Branca Mick Mulvaney, que deixou o cargo de enviado especial de Trump para a Irlanda do Norte na semana passada para protestar contra os apelos de Trump a marchar até o Capitólio, disse à Fox News que “algo está muito diferente” nas acções de Trump no período pós-eleitoral em que enfrenta a derrota. Mulvaney disse que Trump pode reivindicar sucessos durante a sua presidência, mas acrescentou: “Tudo isso mudou na quarta-feira e não sei por quê”. Mulvaney já foi congressista antes de ingressar na administração Trump, mas disse que se agora estivesse enfrentando uma votação para destituir Trump, ele teria que considerar isso “muito, muito a sério”.

Enquanto isso, alguns diplomatas dos EUA condenaram a incitação de Trump ao ataque ao Capitólio e pediram o uso da 25ª Emenda à Constituição dos EUA para declará-lo como incapacitado e removê-lo do cargo.

Os enviados estrangeiros, usando o que é conhecido como o “canal de dissidência” do Departamento de Estado, disseram temer que o cerco da última quarta-feira possa minar gravemente a credibilidade dos EUA no exterior para promover os valores democráticos.

“Deixar de responsabilizar publicamente o presidente prejudicaria ainda mais a nossa democracia e a nossa capacidade de cumprir com eficácia as nossas metas de política externa no exterior”, disse um dos telegramas enviados à liderança do Departamento de Estado.

Dezenas de partidários de Trump que invadiram o Capitólio, saquearam escritórios do Congresso e entraram em conflito com as autoridades já foram presos depois de identificados muitas vezes por meio de seus posts nas redes sociais.. A polícia está a tentar determinar como um polícia foi morto, possivelmente atingido por um extintor de incêndio em luta corpo a corpo com apoiantes de Trump. Até agora ninguém foi preso pela sua morte.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.