- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Conheça os candidatos à Presidência da República de Portugal

Conheça os candidatos à Presidência da República de Portugal

O eleitorado é chamado a eleger, no dia 24 de Janeiro, o próximo Presidente da República. Reunimos aqui, em sete artigos, os perfis dos sete candidatos presidenciais, pela ordem em que vão aparecer nos boletins de voto.

Marisa Matias. Vencer Belém para salvar a Saúde e romper com os privilégios
(DR)

Marisa Matias: Vencer Belém para salvar a Saúde e romper com os privilégios
Feminista, defensora dos Direitos Humanos e laborais e de um regime político que acabe com os privilégios. Assim se assume Marisa Matias, a candidata presidencial apoiada pelo Bloco de Esquerda, que promete ser fiel aos seus princípios e ajudar a recuperar o país da crise trazida pela pandemia de Covid-19.

A força do seu programa é a democracia e a sua grande motivação o reforço do Serviço Nacional de Saúde: um “bem essencial” para o qual garante lutar com a toda a força que tiver, quer vença a corrida a Belém, quer não.

Foi na pequena aldeia de Alcouce, em Coimbra, que há 44 anos nasceu Marisa Isabel dos Santos Matias. Lembra-se de ter visto chegar àquele lugar a eletricidade, a água e o telefone. “Foi uma infância muito feliz, muito comum a muita gente da minha geração”, contou recentemente a recandidata presidencial, em entrevista ao projeto apartidário “Os 230”.

Marcelo Rebelo de Sousa. O político que falhou mas chegou a Presidente.
(DR)

Marcelo Rebelo de Sousa: O político que falhou mas chegou a Presidente
31 de agosto de 1989. Corria a campanha para as eleições autárquicas e Marcelo Rebelo de Sousa disputava com Jorge Sampaio a liderança da capital. Nesse dia, protagonizou um dos gestos mais irreverentes entre tantos outros que viriam a distinguir a sua atuação política em décadas seguintes. Mas o mergulho no Tejo não lhe valeu a vitória.

Anos mais tarde, na liderança do PSD, entre 1996 e 1999, os resultados foram pouco surpreendentes e Marcelo nunca chegou a ser testado em eleições legislativas. Mas o malogro político deu lugar ao comentador que conseguiu catapultar-se para a Presidência da República, aproveitando um espaço mediático e televisivo semanal que o aproximou dos portugueses. Percorremos os principais momentos da vida do atual Presidente da República, que este ano se recandidata a Belém.

Tiago Mayan Gonçalves, o “candidato genuinamente liberal”.
(DR)

Tiago Mayan Gonçalves, o “candidato genuinamente liberal”
Tiago Pedro de Sousa Mayan Gonçalves nasceu a 5 de março de 1977 no Porto. Cidade onde cresceu, estudou e vive. Formou-se em Direito na Universidade Católica Portuguesa, trabalha no Instituto Universitário da Maia e faz voluntariado na Refood na Foz do Douro. Tem o apoio do partido Iniciativa Liberal nesta corrida à Presidência da República.

“Chamo-me Tiago Mayan Gonçalves e sou o primeiro candidato genuinamente liberal a Presidente da República”. É desta forma que apresenta a sua candidatura ao Palácio de Belém.

“Amo o meu País e amo a minha Cidade”, frisa o portuense.

As duas vidas de André Ventura.
(DR)

As duas vidas de André Ventura
Primeiro dia de outubro de 2017, eleições autárquicas em Loures. Terá sido esta a data em que abortou o projeto político do André Ventura social-democrata (no seio da família PSD) e teve início a gestação do André Ventura populista, liberal e conservador preparado para ocupar a franja da extrema-direita portuguesa.

Nesse escrutínio local, Ventura ficaria atrás de comunistas (que arrebatam o poder municipal) e socialistas com apenas 21,55 por cento dos votos. Apesar de ter garantido ao PSD um aumento de mais de quatro pontos percentuais em relação aos resultados de 2013, o discurso negativo contra a comunidade cigana – que Ventura jogou como um trunfo – não foi suficiente para ganhar a autarquia. “Não foi suficiente” ou “jogou contra a candidatura”, a leitura depende do escopo ideológico. Um ano depois renuncia ao mandato de vereador e o Chega nasce meio ano depois, a 9 de abril de 2019, com a bandeira hasteada na questão cigana.

Vitorino Silva, o candidato que quer combater os populismos.
(DR)

Vitorino Silva, o candidato que quer combater os populismos
Vitorino Francisco da Rocha e Silva, conhecido como Tino de Rans, tem 49 anos, é calceteiro e foi presidente da Junta de Freguesia de Rans, a sua terra-natal no concelho de Penafiel, entre 1994 e 2002, eleito pelas listas do PS.

Há cinco anos foi candidato a Belém, tendo conseguido 3,28 por cento dos votos. Em 2019, fundou o partido RIR (Reagir, Incluir e Reciclar). Anunciou a candidatura às presidenciais de 2021 a 13 de setembro, no Porto, com o objetivo de “combater os populismos”.

Frequentou o curso de comunicação no ISLA – Vila Nova de Gaia. Casado, tem uma filha, Catarina, de 23 anos, que afirma ser o seu “semáforo”. É o sexto de oito irmãos. Apesar de ser um homem de muitos ofícios, é como calceteiro que se define, profissão que exerce na Câmara do Porto.

“Gosto de me definir como um tatuador de chãos”, afirma.

João Ferreira, o candidato que quer cumprir a Constituição, defender a saúde e valorizar os salários.
(DR)

João Ferreira, o candidato que quer cumprir a Constituição, defender a saúde e valorizar os salários
Licenciado em Biologia, eurodeputado, vereador na Câmara Municipal de Lisboa e sempre com um pé em projetos relacionados com o ambiente, João Ferreira é o candidato às eleições presidenciais de 2021 apoiado pelo Partido Comunista Português. Se conquistasse Belém, não abdicaria “de nenhum dos poderes que o Presidente da República tem (…) para garantir a resposta aos problemas pendentes que o país enfrenta e uma resposta em conformidade com a Constituição”.

Nascido e criado em Lisboa, João Manuel Peixoto Ferreira, de 42 anos, é o candidato pelo Partido Comunista Português ao Palácio de Belém.

Biólogo de formação e ligado a vários projetos ambientais, já tem alguma experiência em eleições. João Ferreira é deputado no Parlamento Europeu desde 2009, tendo sido o cabeça de lista da CDU (coligação do PCP e do PEV) nas duas últimas eleições europeias, e vereador sem pelouro na Câmara Municipal de Lisboa desde 2013.

Ana Gomes. A mulher que divide opiniões e ambiciona ser a primeira a chegar a Belém.
(DR)

Ana Gomes: A mulher que divide opiniões e ambiciona ser a primeira a chegar a Belém
Ana Maria Rosa Martins Gomes nasceu em Lisboa, a 9 de fevereiro de 1954. É licenciada em Direito, mas começou desde cedo na diplomacia. Acompanhou de perto o nascer da independência em Timor-Leste, esteve 14 anos no Parlamento Europeu e enfrenta agora Marcelo Rebelo de Sousa e cinco outros candidatos na corrida à Presidência da República. Ana Gomes quer ser a primeira mulher a chegar a Belém e promete não ser uma Presidente “discreta”, assim como uma candidata que divide opiniões, mesmo dentro do próprio partido.

Exercer advocacia era, inicialmente, o sonho de Ana Gomes e em 1979 terminou a licenciatura em Direito na Faculdade de Direito de Lisboa. Mas foi na diplomacia que encontrou a sua verdadeira vocação.

Um ano depois de terminada a licenciatura, com 26 anos, Ana Gomes foi desafiada por amigos a entrar no concurso para o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) – uma ideia que nunca lhe passara pela cabeça. “Assim fiz, um pouco desportivamente, porque gostava de estar a trabalhar no escritório e era monitora na faculdade. Mas acabei [o concurso] classificada em primeiro lugar, o que decidiu a minha vida”, revela a diplomata à revista Máxima.

- Publicidade -
FonteRTP
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.