- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Regiões Alunos percorrem longas distâncias para chegar à escola

Alunos percorrem longas distâncias para chegar à escola

Aos 15 anos de idade, Manuel Baptista vê-se obrigado a atravessar o rio Longa, através de uma canoa a motor, e depois percorre 14 quilómetros a pé, para chegar à escola. Apesar da distância, o adolescente, que sonha ser engenheiro civil para seguir os passos do tio, que trabalha na barragem de Capanda, não desiste. É corajoso. Faz um grande esforço para nunca atrasar ou faltar às aulas.

“Quero contribuir para a melhoria das condições sociais da população do nosso país, mas para isso tenho de estudar muito, e depois ir viver na cidade de Luanda para prosseguir com os estudos. Aqui não tenho como conseguir atingir os meus objectivos”, disse, tendo sublinhando que a maioria dos membros da sua família se dedica à actividade agrícola.

“O meu pai não quer que eu siga este caminho. Ele defende que não podemos ser todos camponeses, por isso me incentiva sempre a estudar”, explica. Pelo esforço que os pais são obrigados a fazer, para que não lhe falte material didáctico, roupas e alimentação, Manuel Baptista diz não estar disposto a desiludi-los. Está determinado em estudar, apesar do sofrimento que enfrenta para chegar até à escola.

“Houve um dia em que faltou pouco para cairmos da canoa e morrermos afogados. “Graças a Deus, o meu tio foi muito hábil e conseguimos chegar sãos e salvos no outro lado da margem do rio. Mas no dia seguinte não perdi a coragem. Preparei-me cedo e fui à escola”, lembra.Nem mesmo em tempo da pandemia Covid-19, as dificuldades se tornaram em grandes empecilhos para os alunos matriculados no município da Quiçama, província de Luanda, onde as direcções das escolas criaram condições para a higienização das mãos e distanciamento físico entre os alunos, nas salas de aula, sob a supervisão dos professores.

O director municipal da Educação da Quiçama, Joaquim Cabungula, disse que apesar das restrições impostas pelas autoridades sanitárias do país, pelo menos 2.967 alunos das classes de transição (7ª, 8 ª, 10ª e 12ª), bem como das classes de exa-me (6ª, 9ª e 11ª), partici-pam nas aulas em massa e de forma activa.”Todos os alunos que recebem aulas presenciais seguem as normas definidas pelo Ministério de Educação. E com o apoio dos professores, pais e encarregados de educação, o processo de ensino-aprendizagem, nesta região de Luanda, decorre sem grandes sobressaltos”, disse o director municipal da Educação.

Novas infra-estruturas
No município de Quiçama, o número de estabelecimentos de ensino é insuficiente para atender os milhares de crianças e jovens ávidos de estudar. Apenas 22 escolas funcionam na localidade. Agora, no âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), a localidade foi contemplada com projectos de construção de dez escolas. Neste momento, já decorrem as obras de oito estabelecimentos de ensino.

“Quando as obras terminarem, não haverá mais crianças a percorrer distâncias muito longas”, disse o director da Educação da Quiçama.

Segundo Joaquim Cabungula, as novas escolas estão a ser erguidas para facilitar a implementação de vários cursos técnicos. “Com isso, será possível ter aqui uma escola de formação de professores, um instituto agrário, um politécnico, e um instituto médio de saúde”.

“Os nossos alunos, quando querem frequentar cursos técnicos, deslocam-se para outras localidades da província de Luanda. Doravante, vão ter muitas opções sem precisarem de sair da Quiçama”, destacou o responsável.

Dispersão de aldeias
No município falta de tudo um pouco. Os sectores da Educação e Saúde, por exemplo, enfrentam sérias dificuldades, devido à distância que separa a sede municipal das comunas. “É aqui que reside a nossa maior dificuldade, porque as vias de acesso não são favoráveis”, referiu Joaquim Cabungula.

Dada a complexidade geográfica e os obstáculos nas vias de acesso às comunas e aldeias, o Jornal de Angola teve de passar pelo município da Quibala, província do Cuanza-Sul, para chegar à comunidade de Dala Caxi, onde até camiões de grande porte chegam com grandes dificuldades.

Não é fácil atingir as áreas do Waco, Catamba, Caxilu, Zemba e Longa Zemba, onde a população já se habituou a percorrer a pé, distâncias muito longas, para alcançar os seus objectivos.

“Devido a dispersão populacional, infelizmente ainda temos alunos que percorrem longas distâncias até chegar à escola. Os professores e alunos do município da Quiçama são autênticos guerreiros”, afirma.

Na localidade de Cacharandanda, os alunos atravessam o rio Longa em canoas, e de seguida caminham cerca de 14 quilómetros. “Uns têm de sair da comuna do Lumbondo para estudar no município do Porto Amboim, no Cuanza-Sul.

Incentivos agrícolas
Setenta e cinco por cento da população residente em Quiçama são camponeses. Produzem essencialmente o tomate, cebola e pepino. Mas também se dedicam à criação de gado bovino, suíno, caprino e ovino.

O chefe da secção de Agricultura da Quiçama, Josias Salatiel, destacou que sendo o sector uma base primordial para a diversificação da economia, a criação de incentivos aos agricultores torna-se essencial para aumentar a produtividade na zona.

“Ajudamos as cooperativas agrícolas a utilizarem meios mecanizados para aumentarem a produção de alimentos agrícolas. Aqui na Quiçama, as dificuldades verificadas no escoamento dos produtos cultivados, localmente, enfraquecem os agricultores da região. As estradas estão muito degradadas”, explicou.

Agora, com a implementação do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), Josias Salatiel acredita que as vias de acesso vão deixar de ser um empecilho para os agricultores da zona.

“Neste momento, estamos a criar uma política comercial dos produtos cultivados aqui, de modo a salvaguardar os esforços dos agricultores, que trabalham muito, mas os preços dos alimentos agrícolas continuam muito baixos”, frisou.

Investir no turismo
Vários projectos em curso, como o Pólo de Desenvolvimento Turístico de Cabo Ledo, Plano Director do Município, construção da Basílica da Muxima e do Parque Nacional da Quiçama, que depois de implementados vão mudar a imagem do município.

A Administração Municipal da Quiçama trabalha para que a região deixe de ser apenas um local de peregrinação.O director municipal da Acção Social, Antigos Combatentes, Turismo, Cultura, e Juventude e Desportos, Jorge Jacinto, pediu a todas as forças vivas do município para trabalharem para a mudança do quadro, atraindo cada vez mais investidores.

Avançou que outras acções ligadas à pesca fluvial e marítima, entre outros projectos turísticos, podem ser desenvolvidas na região, para que a Quiçama não viva apenas do turismo religioso. O município acolhe anualmente a peregrinação para a devoção a Nossa Senhora da Conceição, também conhecida como Nossa Senhora da Muxima, uma das mais veneradas e de maior devoção popular em Angola.

Tem como principal referência o Parque Nacional da Quiçama, que ocupa uma área de 9.600 quilómetros quadrados. Quiçama é limitada a norte pelos municípios de Viana e Icolo e Bengo, a leste pelos municípios de Cambambe, Libolo e Quibala, a sul pelos municípios de Quilenda e Porto Amboim, e a oeste pelo Oceano Atlântico.

- Publicidade -
FonteJA
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.