- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Política Investigação TVI: Ministério público português investiga Ministro angolano João Baptista Borges

Investigação TVI: Ministério público português investiga Ministro angolano João Baptista Borges

Sobrinho de João Baptista Borges criou várias empresas e conseguiu contratos de milhões. Parte da fortuna foi enviada para Portugal

O Ministério Público português abriu um inquérito ao ministro angolano da Energia por suspeitas de branqueamento de capitais.

A investigação TVI revela mais sobre este ministro, João Baptista Borges, e a forma como vários elementos da família se envolveram em negócios ligados ao setor da energia em Angola.

O sobrinho de um dos ministros mais importantes do governo angolano tem várias empresas e, nos últimos anos, conseguiu vários contratos de milhões no setor da Energia, em Angola. Mas isto nunca diretamente, sempre através de outras empresas.
https://tvi24.iol.pt/internacional/joao-baptista-borges/investigacao-tvi-ministerio-publico-investiga-ministro-angolano?jwsource=cl
Num documento a que a TVI teve acesso, vê-se que a chinesa Hong Kong Yongda Holding subcontrata uma empresa, a Diverminds, para apoio técnico em contratos públicos no setor da Energia, em Angola, por quase 1 milhão de euros. Ora, esta empresa é do sobrinho e de um dos filhos do ministro João Batista Borges.

Em Portugal, existe uma outra empresa, exatamente com o mesmo nome desta offshore: Diverminds. Também ela em nome do sobrinho do ministro.

Na constituição da Diverminds Unipessoal, pode ver-se que o gerente é o sobrinho: Ricardo Borges. Com sede em Lisboa, abre atividade em 2018 e, seis meses depois, começa a circular dinheiro.

Passou, pelo menos, por um dos principais bancos portugueses e acabou por fazer soar as campainhas: a banca, obrigada por lei a reportar movimentações suspeitas, denunciou o caso à Polícia Judiciária. Em causa, um eventual crime de branqueamento de capitais.

Ao que a TVI apurou, a Unidade de Informação Financeira da PJ decidiu encaminhar os dados recolhidos para o Ministério Público, que já abriu um inquérito.

Em nome da Diverminds, em Portugal, são registados vários bens, como carros de luxo, um prédio inteiro no Porto e um apartamento em Lisboa.

A investigação TVI revela mais sobre este ministro, João Baptista Borges, e a forma como vários elementos da família se envolveram em negócios ligados ao setor da energia em Angola.
(DR)

DINHEIRO DE CONTRATOS É ENVIADO PARA PORTUGAL
Mas o sobrinho do ministro tem mais empresas: a Plurienergia conseguiu um negócio com a Ambergol, Ambiente e Energia de Angola, por 500 mil euros, pagos em quatro vezes e enviados diretamente para uma conta em Portugal.

Ao mesmo tempo, o sobrinho abre mais duas empresas offshore, exatamente com o mesmo nome, nos Emirados Árabes Unidos: a Plurienergia Limited e a Plurienergia DWC.

É contratado para mais um projeto no setor da Energia. A empresa é dada com tendo uma extensa experiência, mas, à data, existia há apenas… um ano. O valor do contrato é transferido para uma conta em Portugal.
https://tvi24.iol.pt/internacional/joao-baptista-borges/investigacao-tvi-ministerio-publico-investiga-ministro-angolano?jwsource=cl
Às perguntas enviadas por escrito, o BPI diz que:

“Por lei, não pode fazer comentários sobre pessoas ou situações concretas. Pode afirmar, no entanto, que assegura o integral cumprimento de todos os procedimentos de compliance em todas as circunstâncias, respeitando integralmente a lei e os deveres de colaboração com as autoridades.”

O Banco de Portugal e o Ministério Público remetem-se ao silêncio e deixaram as perguntas da TVI sem resposta. A Procuradoria da República de Angola não confirma, nem desmente se há processos em curso.

MINISTRO ANGOLANO ABRIU EMPRESA EM OFFSHORE
Este ministro entrou também para o mundo dos negócios. A TVI confirmou que abriu uma empresa offshore com um dos filhos, estando em funções no governo angolano, e deu como morada um apartamento em Lisboa.

Não se conhece a atividade concreta, mas emitiu várias faturas a uma outra empresa, na zona franca da Madeira.

A investigação da TVI teve acesso a documentos do consórcio internacional de jornalistas de investigação e descobriu o nome do ministro angolano da Energia na constituição de uma offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, quando já estava em funções no governo.

João Baptista Borges nunca respondeu aos pedidos de entrevista da TVI.

O governo angolano prometeu uma resposta que, ao longo de nove meses, nunca chegou.

- Publicidade -
FonteTVI
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.