- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Estado português gastou mais de 750 milhões de euros para responder à...

Estado português gastou mais de 750 milhões de euros para responder à pandemia

Centro Hospitalar de Lisboa Central foi a entidade que mais gastou entre Junho e Setembro. Seguem-se os centros de Coimbra e Lisboa Norte. Tribunal de Contas analisou 7881 contratos realizados nesses quatro meses ao abrigo do regime excepcional criado com a pandemia. Desde Março, entidades públicas contratualizaram 750 milhões.

O valor mensal dos contratos realizados ao abrigo do regime excepcional criado para responder à pandemia diminuiu a partir de Maio, altura em que o país já tinha ultrapassado a primeira vaga de covid-19. Mas a tendência inverteu-se em Setembro, de acordo com o 2.º Relatório Intercalar do Tribunal de Contas (TdC), que analisou 7881 contratos publicados no Portal Base entre 1 de Junho e 30 de Setembro.

Segundo o documento, divulgado nesta terça-feira, estes mais de sete mil contratos realizados em quatro meses corresponderam a um montante de cerca de 375 milhões de euros. Deste universo, 224 são contratos com isenção de fiscalização prévia (IFP) que ainda que só signifiquem 2,8% do total de contratos, representam cerca de 290 milhões de euros. Ou seja, 77,4% do valor total.

O TdC explica que foram analisados “’contratos covid 19’, celebrados no âmbito das medidas excepcionais e temporárias de resposta à epidemia covid-19, e ‘Outros contratos’, aqueles que, independentemente do objecto, foram outorgados por um conjunto de entidades que a lei isentou de fiscalização prévia”, no contexto da pandemia. O maior volume contratual, em termos de montante (229,1 milhões de euros), “ocorreu nos ‘outros contratos’, que ficaram isentos de fiscalização prévia do TdC, em virtude da natureza das entidades”.

A quantia monetária agora analisada é quase igual à avaliada pelo 1.º relatório intercalar, que corresponde a um período inferior: dois meses e 20 dias. Entre 1 de Junho e 30 de Setembro o valor foi de 374,9 milhões de euros, enquanto entre 12 de Março e 31 de Maio foi de 375,2 milhões de euros. Ou seja, entre meados de Março e o final de Setembro, as entidades públicas realizaram contratos ao abrigo do regime excepcional criado para responder à pandemia num montante superior a 750 milhões de euros (750.102.798 euros).

Atendendo aos dois períodos, diz o TdC, “verifica-se que o número de contratos e o correspondente valor contratual aumentou até ao mês de Maio, atingindo então o número e montante mais alto (3732 contratos, 153 milhões de euros) e diminuindo nos meses seguintes até Agosto, mês em que atingiu o valor mais baixo (67 milhões de euros)”.

Em Setembro, “o número de contratos e o respectivo montante voltou a subir, mas, em ambos os casos, inferiores aos verificados nos meses de Abril a Julho”, refere o relatório. Nesse mês, foram assinados 1578 contratos de 96,6 milhões de euros. Por essa altura, os números da pandemia já tinham voltado a subir por todo o país, deixando antever a existência de uma segunda vaga que está a ter mais doentes internados do que a primeira.

Top 25 dos que mais gastaram
Das 25 entidades que mais gastaram nos quatro meses em análise, apenas três não são da área da saúde: a Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (13.º lugar, com oito milhões de euros gastos), o Município de Cascais (22.º lugar, 5,5 milhões de euros) e a Força Aérea (24.º lugar, 4,3 milhões de euros).

No primeiro lugar desta lista, com 39,2 milhões de euros, está o Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, logo seguido dos centros hospitalares e universitários de Coimbra (29,8 milhões de euros) e Lisboa Norte (24,6 milhões de euros). Uma distribuição diferente da do 1.º Relatório Intercalar, que tinha em primeiro lugar a Direcção-Geral da Saúde, seguida dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde.

O contrato com maior valor diz respeito a uma empreitada de obras públicas de requalificação do edifício da cirurgia e imagiologia do IPO de Coimbra, no valor de 22,6 milhões de euros. “No 1.º Relatório Intercalar, o contrato de maior valor, também cerca de 22 milhões de euros, respeitava à aquisição de licenças e outros serviços informáticos”, refere o documento.

No que diz respeito às 25 empresas adjudicatárias que celebraram o maior volume financeiro de contratos, nove dedicam-se ao comércio por grosso de produtos farmacêuticos (tendo-lhes sido adjudicado 70,5 milhões de euros), três à construção civil (com adjudicações de 33,4 milhões), três ao comércio de equipamentos (31,8 milhões) e três a serviços de limpeza (17,5 milhões de euros). O relatório refere que “as empreitadas de obras públicas têm, neste período, maior expressão contratual” do que no primeiro período.

No caso da saúde, por exemplo, o Programa de Estabilização Económica e Social, publicado em Diário da República em Junho, previa 26 milhões de euros para a ampliação de 16 Serviços de Medicina Intensiva do SNS e a implementação de um sistema de informação, fazendo esperar um maior volume de obras ao longo de 2020.

O relatório do TdC volta a fazer uma análise, por amostragem, da variação de preços de produtos semelhantes. Caso das máscaras cirúrgicas, cujo preço unitário variou entre os 65 cêntimos e 1,58 euros, e dos ventiladores, em que o custo unitário variou entre os 10 mil euros e os 49 mil euros.

Um reparo que se repete é o da insuficiência na informação, com formulários que não estavam apropriadamente preenchidos. Um dos exemplos é o de indicarem como local de execução Portugal. O TdC também detectou contratos que não foram publicitados no Portal Base e outros que não lhe foram comunicados a si.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.