- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Sudão envia tropas para zona de confrontos tribais no Darfur

Sudão envia tropas para zona de confrontos tribais no Darfur

As autoridades sudanesas anunciaram o envio de um “importante” contingente militar para o sul do Darfur, após confrontos entre tribos pela posse de nascentes de água e que fizeram 15 mortos.

O governador do estado do Darfur do Sul, Musa Mahadi, anunciou no domingo (27.12) o envio de um grande número de forças militares “para deterem as pessoas implicadas nos confrontos e apreenderem armamento”, refere a agência oficial Suna. “O tempo para as conferências de reconciliação terminou e chegou o tempo para se aplicar a lei”, disse o governador.

A agência oficial indica ainda que um dirigente local afirmou que insultos verbais acabaram em confrontos armados entre elementos das tribos Massalit e Falata, na localidade de Gereida em que morreram dos membros da Falata.

Em represália, os falatas atacaram a localidade causando a morte de 13 massalit e ferimentos em 34 pessoas não tendo sido noticiado o local exato dos confrontos. O incidente é o primeiro depois de uma reunião de reconciliação que decorreu em outubro.

Durante os últimos dois anos, a região de Gereida tem sido palco de incidentes violentos entre as duas tribos que já provocaram vários mortos e feridos.

Deslocados da região de Darfur estão contra o fim do mandato da missão de paz conjunta (foto de arquivo).
(DR)

Fim da missão de paz conjunta
Os acontecimentos ocorreram também a poucos dias do fim da missão de paz conjunta entre a ONU e a União Africana na região sudanesa do Darfur (UNAMID) e que termina a 31 de dezembro, após exigência de Cartum. A missão de paz integra cerca de oito mil militares, polícias e pessoal civil, deslocados na vasta região ocidental do Sudão.

Milhares de deslocados da região de Darfur protestaram, no domingo (27.12), nos dois principais campos da região, contra o fim do mandato da missão de paz. Cerca de 8.000 pessoas manifestaram-se no campo de Kalima, no estado do Darfur do Sul, e outras 5.000 no campo de Abu Shuk, no Darfur do Norte, os dois maiores campos da região, e entoaram slogans como “não há paz nem segurança sem a UNAMID”.

Os manifestantes exigiram que o governo sudanês e o Conselho de Segurança da ONU cancelassem a retirada da missão conjunta. “Se a decisão não for cancelada, os crimes continuarão”, alertaram.

A guerra no Darfur que começou em 2003, entre as forças governamentais e os insurgentes, fizeram nos primeiros anos mais de 300 mil mortos e 2,5 milhões de deslocados internos.

Nos últimos anos tem-se verificado um aliviar das tensões violentas, mas ocasionalmente ocorrem confrontos por questões de terras e águas entre as tribos nómadas árabes e os agricultores africanos.

O governo de transição do Sudão está em funções após ter sido alcançado um acordo entre os militares que ocuparam o poder após a queda do ditador Omar al-Bashir, em abril de 2019, após a pressão das manifestações de contestação contra o regime.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.