- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Política Acusação da PGR contra Isabel dos Santos desfeita após comprovação de pagamentos

Acusação da PGR contra Isabel dos Santos desfeita após comprovação de pagamentos

Quando Isabel dos Santos saiu da petrolífera, um dos actos de gestão questionado foi a transferência de 135 milhões de dólares para a Matter, no Dubai. Agora, há dados que sustentam que este dinheiro foi usado para pagar a consultoras.

Uma das peças relevantes dos chamados Luanda Leaks é a de que Isabel dos Santos desviou mais de 135 milhões de dólares da Sonangol para empresa de subordinados com a justificação de pagar serviços de consultoria. O dinheiro foi transferido para a Matter Business Solutions, com sede no Dubai, para que esta, enquanto entidade coordenadora do processo de reestruturação da Sonangol, pagasse serviços de consultoria.

Em Janeiro deste ano, o Consórcio Internacional de Jornalistas, que investigou o caso, referia que, embora existissem facturas dos serviços, estas apresentavam “informação muito escassa sobre os serviços de consultoria que terão sido prestados à petrolífera, levantando dúvidas sobre o controlo e a verificação dessas despesas pela empresa pública angolana”. Em causa estariam os actos de gestão praticados por Isabel dos Santos que foi presidente da Sonangol entre Junho de 2016 e Novembro de 2017.

Os serviços de consultoria foram pagos? A quem? As empresas contratadas emitiram facturas? Estas perguntas têm resposta. O Negócios consultou documentos relativos a este caso e constatou que, efectivamente, foram transferidas verbas para o pagamento de serviços prestados no âmbito do processo de reestruturação da Sonangol. Entre as empresas que foram remuneradas pela Matter Business Solutions, que tinha como directores Mário Leite Silva e Paula Oliveira (esta última também acionista), constam a Boston Consulting Group (BCG) e a PwC.

Mas há mais. A McKinsey, a sociedade de advogados Vieira de Almeida, a Odkas, a Ucall e a Neves e Almeida foram pagas pelos trabalhos realizados para a petrolífera angolana e sinalizaram esse facto passando faturas. As duas empresas que mais ganharam com os serviços prestados à Sonangol foram a BCG e a PwC, 31 milhões de dólares e 21 milhões, respectivamente. A McKinsey recebeu 15 milhões de dólares e a Odkas 11 milhões.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.