- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil MPF pede que Sociedade Brasileira de Infectologia dê provas que cloroquina e...

MPF pede que Sociedade Brasileira de Infectologia dê provas que cloroquina e outros remédios são ineficazes contra Covid-19

A Procuradoria do Ministério Público Federal (MPF) de Goiás cobrou que a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) apresente provas e estudos clínicos que embasaram uma nota na qual a entidade reprovava o uso de qualquer medicamento para tratamento precoce da Covid-19.

O pedido do MPF é assinado pelo procurador-chefe da República no estado, Ailton Benedito, auto-declarado conservador e defensor ferrenho nas redes sociais do uso da cloroquina e outros medicamentos no tratamento da doença.

No documento, intitulado “Atualizações e Recomendações sobre a Covid-19” e publicado na quarta-feira (9), a SBI diz ser contra o uso de qualquer medicamento no combate à infecção pelo novo coronavírus, incluindo cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, nitazoxanida, corticoide, zinco, vitaminas, anticoagulante, ozônio por via retal e dióxido de cloro.

“Os estudos clínicos randomizados com grupo controle existentes até o momento não mostraram benefício e, além disso, alguns destes medicamentos podem causar efeitos colaterais. Ou seja, não existe comprovação científica de que esses medicamentos sejam eficazes contra a Covid-19”, explica a SBI, no documento.

A entidade ainda argumenta que a orientação contrária ao tratamento precoce com quaisquer medicamentos “está alinhada com as recomendações de sociedades médicas científicas e outros organismos sanitários nacionais e internacionais”.

No mesmo dia, o MPF de Goiás enviou um ofício dando o prazo de cinco dias para que a SBI apresente cópias de documentos e dos estudos clínicos que serviram de base para a recomendação.

Ailton Benedito questiona também se a entidade tem ciência das orientações divulgadas pelo Ministério da Saúde em uma nota publicada em agosto, na qual defende a aplicação combinada entre os medicamentos hidroxicloroquina, cloroquina, azitromicina para casos leves, moderados e inclusive graves em pacientes com Covid-19.

Por fim, o procurador pede que a diretoria da SBI declare “ausência de conflito de interesse” com empresas que estão desenvolvendo medicamentos, vacinas, insumos ou equipamentos destinados ao enfrentamento da pandemia.

Em 15 de junho, a Agência de Medicamentos e Alimentos dos EUA, a FDA, revogou a autorização para uso de emergência da cloroquina de seu estoque estratégico, ao determinar, com base em evidências científicas, que cloroquina e hidroxicloroquina não eram efetivos no tratamento da doença viral. Em 17 de junho, foi a vez de a OMS (Organização Mundial de Saúde) anunciar que iria parar com os testes clínicos usando a substância, pelo mesmo motivo.

Procurada pelo Yahoo Notícias!, a Sociedade Brasileira de Infectologia afirmou que está ciente do pedido do MPF-GO e “está tomando as providências jurídicas”.

PROCURADOR ATACOU OMS, ‘LOBISTAS DA MORTES’ E DEFENDEU CLOROQUINA
Ativo e engajado nas causas conservadoras e bolsonaristas nas redes sociais, o procurador Ailton Benedito tem dedicado atenção especial na defesa do uso de medicamentos no combate à Covid-19. Ao defender o uso da cloroquina e de outros medicamentos, o procurador constantemente usa o termo “lobistas da morte”.

Em agosto deste ano, Benedito assinou outra peça pelo MPF de Goiás pedindo a obrigatoriedade na disponibilização do tratamento ambulatorial precoce a pacientes do novo coronavírus no estado de Goiás.

Na ação, o procurador diz que a União, o Estado de Goiás e o município de Goiânia devem acatar a orientação expedida pelo Ministério da Saúde e disponibilizar os remédios para que os médicos possam prescrevê-los a quem estiver com a doença na fase inicial. A Justiça Federal, no entanto, negou liminar.

Antes disso, em março, Ailton Benedito atacou a OMS em um artigo publicado em um site de direita dizendo que, apesar de estados e municípios estarem seguindo suas recomendações, a entidade não teria legitimidade.

Benedito divulgou o artigo em sua página no Twitter acusando a entidade mundial de crimes contra a humanidade e, sem citar nomes ou fornecer dados, dizendo que ela é comandada por um “serviçal da ditadura comunista da China”.

É no Twitter que suas postagens são compartilhadas massivamente entre os seguidores do presidente Jair Bolsonaro. O perfil do procurador consta em uma reportagem da agência de checagem Aos Fatos, de maio, que mostra os perfis do Twitter que mais publicaram desinformação sobre a cloroquina.

A página do procurador no Twitter é mencionada uma vez, e aparece em uma tabela com os que mais falaram sobre cloroquina na rede social. Por conta disso, Ailton Benedito afirmou, em novembro, que processaria a agência de checagem por “violação aos direitos fundamentais”. Além disso, o procurador estimulou outras pessoas a iniciarem ações semelhantes contra agências de checagem.

Em resposta, a agência afirma que ele não é mencionado como um desinformador, e sim como um perfil que se engajou com conteúdos sobre o tema. “Ou seja, não fica claro no que ele se sentiu lesado, uma vez que a reportagem não faz acusações particularmente contra ele”.

O Brasil foi apontado como o único país do mundo onde continuam a circular com frequência notícias falsas sobre cloroquina, ivermectina e azitromicina como curas para a Covid-19.

Fake news ou boatos sobre hidroxicloroquina e cloroquina apareceram 176 vezes na base de dados — são 176 versões de informações falsas, que podem ter sido compartilhadas milhões de vezes. O campeão é o Brasil, com 75 casos, seguido da Índia (29), França (26) e EUA (24).

E, ao contrário da maioria dos países, no Brasil, na Índia e nos EUA as disputas políticas internas são o principal motor para a desinformação sobre a pandemia.

O levantamento, publicado no dia 23 de novembro, foi realizado pelo LAUT (Centro de Análise da Liberdade e do Autoritarismo), INCT.DD (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital) e pelo laboratório de pesquisa forense digital do Atlantic Council.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.