- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo EUA Texas pede ao Supremo Tribunal que bloqueie votos de quatro Estados

Texas pede ao Supremo Tribunal que bloqueie votos de quatro Estados

Em causa, os votos pelos correios, numa das últimas tentativas de evitar a vitória de Joe Biden

O Estado do Texas entregou no Supremo Tribunal uma acção contra os Estados da Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin na qual pede mudanças nos procedimentos eleitorais feitos devido à pandemia de coronavírus que considera ilegais.

A acção, anunciada pelo procurador-geral republicano do Texas Ken Paxton, foi apresentada directamente ao Supremo Tribunal, como é permitido em certos litígios entre Estados.

Esta acção é a mais recente iniciativa dos republicanos para reverter a derrota do Presidente Donald Trump na eleição de 3 de Novembro, que já foi confirmada por todos os Estados.

No processo, o procurador-geral do Texas acusa os responsáveis eleitorais dos quatro Estados de não protegerem os votos pelos correio contra a fraude, diminuindo assim “o peso dos votos expressos em Estados que obedecem legalmente à estrutura eleitoral estabelecida na Constituição”.

As autoridades eleitorais naqueles Estados, três deles governados por republicanos, já disseram não ter encontrado nenhuma evidência de fraude que pudesse mudar os resultados.

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, também já afirmou não haver qualquer evidência de fraude.

logo
ESTADOS UNIDOS
Texas pede ao Supremo Tribunal que bloqueie votos de quatro Estados

dezembro 08, 2020
VOA Português
Procurador Geral do Texas fala a jornalistas perto do Supremo Tribunal
Procurador Geral do Texas fala a jornalistas perto do Supremo Tribunal

Veja Comentários
Em causa, os votos pelos correios, numa das últimas tentativas de evitar a vitória de Joe Biden
O Estado do Texas entregou no Supremo Tribunal uma acção contra os Estados da Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin na qual pede mudanças nos procedimentos eleitorais feitos devido à pandemia de coronavírus que considera ilegais.

A ação, anunciada pelo procurador-geral republicano do Texas Ken Paxton, foi apresentada directamente ao Supremo Tribunal, como é permitido em certos litígios entre Estados.

Esta acção é a mais recente iniciativa dos republicanos para reverter a derrota do Presidente Donald Trump na eleição de 3 de novembro, que já foi confirmada por todos os Estados.

Presidente Donald Trumpo (esq) e Procurador-Geral William Barr (dir)
VEJA TAMBÉM
Procurador-Geral dos Estados Unidos confirma inexistência de fraude na eleição presidencial
No processo, o procurador-geral do Texas acusa os responsáveis eleitorais dos quatro Estados de não protegerem os votos pelos correio contra a fraude, diminuindo assim “o peso dos votos expressos em Estados que obedecem legalmente à estrutura eleitoral estabelecida na Constituição”.

As autoridades eleitorais naqueles Estados, três deles governados por republicanos, já disseram não ter encontrado nenhuma evidência de fraude que pudesse mudar os resultados.

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, também já afirmou não haver qualquer evidência de fraude.

Contagem de votos na Pensilvânia
VEJA TAMBÉM
Tribunal federal nega recurso de Trump para impedir a certificação da eleição na Pensilvânia
Na verdade, houve um aumento do número de votos pelos correios nas eleições devido à pandemia, já que muitos americanos ficaram longe dos locais de votação para evitar a disseminação da Covid-19.

Na acção o Estado do Texas pede ao Supremo Tribunal que bloqueie os votos do Colégio Eleitoral nos quatro Estados, um total de 62 votos, impedindo assim que no próximo dia 14, Joe Biden tenha os 270 votos necessários para confirmar a sua vitória.

Os resultados divulgados confirmam que o democrata conseguiu 306 votos eleitorais, contra 232 de Trump.

No voto popular, que no entanto não conta na eleição, Biden venceu por mais de sete milhões de votos 7 milhões de votos.

Outra petição do procurador do Texas é que o Supremo Tribunal adie a votação no Colégio Eleitoral, marcada para 14 de dezembro.

A campanha de Trump e seus aliados levou a cabo processos judiciais refutados pelos tribunais na Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.