- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Política Rafael Marques diz que activistas devem estar mais bem preparados para encontros...

Rafael Marques diz que activistas devem estar mais bem preparados para encontros com PR

O presidente de direcção do Centro de Estudos para Boa Governação UFOLO, jornalista Rafael Marques Morais, defende a necessidade imperiosa de os activistas poderem preparar-se melhor sempre que forem a encontros semelhantes ao que aconteceu no dia 26 de Novembro, entre o Presidente da República e os jovens da capital do país. Na perspectiva do jornalista investigativo, ao se reunir com jovens de vários estratos sociais, João Lourenço demonstrou coragem.

Em declarações à imprensa, em Benguela, à margem da palestra subordinada ao tema “Conflitos de direitos fundamentais: exercício de segurança pública”, o presidente de direcção da UFOLO afirmou que a forma como alguns activistas expuseram as suas ideias revelou falta de preparação.

Para Marques, criou-se a ideia errada de que basta promover uma manifestação para, logo a seguir, ser rotulado de activista. “Para ser activista é muito mais do que isso”, refere.

De tal modo que sugere que se promovam acções para municiar jovens de conhecimento sobre o que é, efectivamente, “activismo cívico”, a fim de que as pessoas possam intervir com conhecimento de causa e com entendimento do ambiente e “com propostas que possam ser realizáveis”, disse, tendo enaltecido aquilo a que chama de coragem do Presidente da República, ao manter um encontro com os jovens.

Em relação à palestra que a organização não-governamental de que é responsável realizou em Benguela, dirigida aos membros do Conselho Consultivo da delegação do MININT e do Comando Provincial da Polícia Nacional, o jornalista Rafael Marques manifestou-se insatisfeito com a ausência de membros ligados ao Governo Provincial de Benguela.

Para Rafael Marques, dada a natureza do tema, afigurava-se importante a presença de um representante daquele órgão do Estado, uma vez que a Polícia Nacional, em determinadas manifestações, age cumprindo determinadas orientações de quem governa. Mas, como sublinhou, “um passo de cada vez”, assevera o presidente de direcção da UFOLO, que fez o mesmo exercício na província da Huíla.

“O diálogo com os efectivos da polícia é muito importante, porque estamos a falar de uma questão fundamental, que é o respeito dos direitos dos cidadãos. E nós, enquanto sociedade civil, teremos a capacidade de monitorar, por exemplo aqui, em Benguela e na Huíla, por onde passamos, como serão as próximas interacções entre os cidadãos e a PN quando surgirem situações de conflitos de direitos”, considera.

Segundo Rafael Marques, o que a UFOLO pretende, com a promoção de eventos desta natureza, é que não haja violência, mas sim respeito pelos direitos dos cidadãos e estes, por sua vez, respeitarem, igualmente, a PN, em caso de manifestação e, deste modo, instalar-se-á um clima de entendimento entre as partes.

“Porque temos de encontrar soluções conjuntas, porque a liberdade e a cidadania são melhor exercidas com segurança”, refere.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.