- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Filha de Samora Machel entre as 100 mulheres mais influentes do mundo

Filha de Samora Machel entre as 100 mulheres mais influentes do mundo

Josina Machel, a filha de Graça e Samora Machel, é uma das 100 mulheres mais influentes do mundo, na lista da BBC. Ativista, criou um movimento para apoiar vítimas de violência doméstica, como ela. Uma violência que lhe custou a perda de um olho mas que lhe deu forças para lutar por uma causa. É uma guerreira à semelhança do pai, da mãe e do padrasto, Nelson Mandela

Josina Z Machel, 44 anos, é uma antiga defensora dos direitos humanos, nascida sob um legado de ativismo, como a descreve a BBC que a coloca esta quinta-feira na lista das 100 mulheres mais influentes do mundo. “Ela é extremamente apaixonada pela sua vocação de promover os direitos das mulheres. Mestre pela London School of Economics and Political Science (LSE), sobreviveu à violência doméstica e está a transformar o seu trauma pessoal numa causa através do Movimento Kuhluka. A organização cria refúgios seguros para sobreviventes da violência em comunidades em todo o Sul da África”, descreve o site da emissora britânica.

Em 2020, o projeto BBC 100 Women destaca mulheres que estão a liderar mudanças no mundo e a marcar a diferença nestes tempos conturbados de pandemia de coronavírus, crise económica, avanço da fome e mudanças climáticas.

Duas brasileiras estão entre as eleitas: Cibely Racy, professora pioneira no ensino da igualdade racial, e Lea T, modelo transsexual.

A lista inclui ainda, por exemplo, Sanna Marin, a primeira-ministra mais jovem do mundo. Marin está à frente de uma coligação governamental liderada por mulheres na Finlândia, Jane Fonda, atriz norte-americana e ativista do clima, e Sarah Gilbert, que lidera o desenvolvimento de uma promissora vacina na Universidade de Oxford contra o novo coronavírus.

Josina, de vítima a activista social

Em Moçambique, onde seis em cada dez mulheres são vítimas de violência doméstica, Josina Machel, filha do antigo Presidente de Moçambique Samora Machel e de Graça Machel, entrou também nas estatísticas. O ex-namorado espancou-a de tal forma que a fez perder um olho. Dessa vista não mais recuperou mas ganhou uma visão para algo maior do que ela.

Viria a criar o Movimento Kuhluka em Moçambique, uma organização não governamental que apoia mulheres vítimas de violência doméstica. “Mas o ponto mais importante da Kuhluka é, exatamente, a criação, manutenção e apetrechamento de abrigos, para mulheres que são sobreviventes de violência. A ideia é termos um abrigo onde a mulher vai num momento de emergência e lá tem acesso a médicos, a um agente da polícia, para que não tenham de passar pelo que eu passei. Porque quando voltei umas semanas depois [da agressão], para começar o meu processo de [denúncia], os meus documentos tinham desaparecido. Acredito que não há muitas mulheres neste país que consigam fazer esse exercício”, explicou Josina Machel numa entrevista concedida ao Diário de Notícias a 11 de novembro de 2017.

Josina tinha apenas 10 anos quando o pai foi assassinado. Mais tarde, quando a mãe, Graça Machel, se casou com Nelson Mandela, a jovem teve no padrasto sul-africano a continuação de um modelo de ativismo e de consciência social que existira sempre na sua família.

A 19 de outubro deste ano, a Aministia Internacional considerou um “duro golpe” contra as mulheres moçambicanas o acórdão que anulou a decisão que condenava o empresário Rofino Licuco a três anos de prisão por agressão a Josina Machel. Para a Amnistia Internacional, a decisão do Tribunal Superior do Recurso é um golpe à marcha em prol do fim da violência baseada no género em Moçambique, tendo ainda considerado inconcebível que, cinco anos após o incidente, Josina Machel, que é também ativista social, continue à espera de justiça.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.