- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Metro de superfície tem obras em Janeiro

Metro de superfície tem obras em Janeiro

As obras dos primeiros 30 quilómetros do Metro de Superfície de Luanda podem começar em Janeiro de 2021, admitiu, ontem, o ministro dos Transportes, Ricardo D’Abreu.

No total, vão ser 149 quilómetros de extensão. O orçamento ficou estimado em três mil milhões de dólares.

Segundo Ricardo D’Abreu, que falava no “Café com jornalistas”, nas comemorações do 44º aniversário do sector, o Governo prevê concluir, ainda este ano, a formalização da parceria público-privada e dar início ao processo para a construção da primeira linha do Metro de Superfície de Luanda.

Informou que a parceria com a Siemens Mobility contava com o suporte financeiro do Estado para o arranque do projecto, mas fruto das condições actuais, o Governo optou por “não ir por esta via”.

“Estamos a acelerar o estabelecimento da parceria público-privada para o lançamento do projecto e contamos que, ainda este ano, possamos fazer a formalização final e dar início à construção da primeira fase da linha do metro de superfície com pelo menos 30 quilómetros no período indicado”, avançou.

O ministro Ricardo D’Abreu adiantou que pela densidade populacional e distâncias que são percorridas, bem como a organização da cidade, Luanda precisa de um sistema de alta capacidade, eficiente e economicamente eficaz.

Concessões ferroviárias
Na ocasião, o ministro dos Transportes anunciou que, até Janeiro, será, igualmente, lançado o concurso público para a concessão do Corredor do Lobito, com particular realce para as infra-estruturas ferroviárias e logísticas do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB). O foco será para o transporte de mercadorias e a componente logística, sendo que o serviço de passageiros (tanto inter-urbano como inter-provincial) ficará ainda sob a alçada do próprio CFB.

“Esta medida é para assegurar que haja operadores especializados em questões de logística e carga, mas também assegurar que consigamos ter, em Angola, um parceiro tecnológico do Governo para assegurar a manutenção e reabilitação das infra-estruturas ferroviárias”, augura.

Concluído o processo no CFB, o projecto será estendido para as infra-estruturas ferroviárias que suportam o CFL e CFM, sendo que numa primeira fase a prioridade será o de Luanda.

Ricardo Viegas D’Abreu destacou que o CFL merecerá atenção redobrada, já que aquando do programa de reabilitação do sector ferroviário (três caminhos-de-ferro), o de Luanda não usufruiu da recuperação completa da linha que chega até Malanje. Ficou por reabilitar o troço “crítico” Zenza do Itombe/Cacuso.

“Os 215 quilómetros de ex-tensão são responsáveis pela redução da velocidade comercial do comboio que faz o trajecto Luanda/Malanje para níveis muito baixos”, aponta, sendo que o projecto prevê reabilitar o troço já existente, ou construir um novo traçado.

Destacou que a intenção do Governo é que as três linha-férras possam ter ligação com os países vizinhos.
“No âmbito do programa das parcerias público-privadas, incluímos o projecto do Corredor Norte e a primeira fase será o troço Luanda/Malanje”, disse.

Novo aeroporto
Uma outra informação avançada pelo ministro é a das obras do Novo Aeroporto Internacional de Luanda.

Segundo Ricardo D’Abreu, as mesmas retomam em Janeiro, estando, neste momento, a ser solucionados os problemas logísticos e administrativos para a vinda de técnicos chineses (principais empreiteiros).

“Apesar da reformulação do projecto inicial, não haverá derrapagem, mantendo-se o investimento inicial de 1,4 mil milhões de dólares previstos, financiado por uma linha de crédito da China”, garantiu.

O ministro fez saber ainda que, dadas as questões logísticas, será redefinido o cronograma das obras. A expectativa é que tenham um prazo de dois anos.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.