- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Oposição denuncia exclusão no acesso a ajuda da Covid-19

Oposição denuncia exclusão no acesso a ajuda da Covid-19

MDM e RENAMO acusam as autoridades da província de Inhambane de excluírem os seus membros das listas para a atribuição de subsídios da Covid-19. Instituto Nacional de Ação Social nega.

A denúncia é do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) e da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO). Ambos acusam as autoridades de excluírem os membros e simpatizantes destas formações políticas da receção do subsídio de 2 mil meticais (cerca de 23 euros) por mês – durante seis meses – a cada família, previsto como assistência às famílias carenciadas durante a pandemia de Covid-19.

“Nos bairros, houve a exclusão total dos membros da oposição, afirma Joel Jeremias, porta-voz do MDM em Inhambane. Segundo o responsável, muitos membros do partido não foram inscritos porque os secretários dos bairros tinham determinações sobre como e quem deve ser registado.

“Este acto é politizado”, denuncia Joel Jeremias.

O mesmo terá acontecido com os membros da RENAMO. Sem gravar entrevista, o delegado da formação política em Inhambane, Carlos Maela, também confirmou a exclusão dos seus membros.

Joel Jeremias: “Este acto é politizado”.
(DR)

Subsídios por receber
Bernadete Gulube, uma simpatizante de um dos partidos da oposição no distrito de Homoíne, confirma que não foi inscrita e que nenhum líder comunitário ou secretário do bairro a contactou para receber a ajuda do Governo.

“Ainda não nos reuniram acerca disso. Mesmo os nossos líderes ainda não nos falaram, a não ser que tenha havido exclusão de certas casas, mas aqui na minha casa não passou ninguém”, afirma.

Sandra Marrengula é outra potencial beneficiária a residir em Inhambane, mas também diz que não recebe a ajuda.

“Ainda não fomos registados. Precisamos porque não estamos a trabalhar conforme por causa dessa doença e estamos a sofrer.”

O que diz o INAS?
Uma líder comunitária em Maxixe disse à DW África que fez os registos como o Instituto Nacional de Ação Social (INAS) pediu.

Isac Mucavele, delegado do Instituto Nacional de Ação Social (INAS) em Inhambane garante que a sua instituição não excluiu ninguém para receber os apoios, porque o dinheiro é para todos os moçambicanos.

“Não é verdade isso, não temos nada a ver com partidos”, assegurou Mucavele. “Este dinheiro é para apoiar todo o moçambicano que está naquela condição, mas a prioridade vai para estes que não são funcionários e reformados. Não tem nada a ver, está-se a apoiar pessoas só”, reforça.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...
- Publicidade -

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Notícias relacionadas

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Sonangol e Endiama serão parcialmente privatizadas até 2022

O Governo vai dispersar em bolsa uma parte das empresas petrolífera e diamantífera Sonangol e Endiama em 2021 ou no início de 2022, disse...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.