Radio Calema
InícioDestaquesManifestantes voltam hoje às ruas de Luanda contra corrupção e impunidade em...

Manifestantes voltam hoje às ruas de Luanda contra corrupção e impunidade em Angola

Luanda volta a ser palco neste sábado (21.11) de um novo protesto, o terceiro em menos de 30 dias. Desta vez, para reivindicar o combate “sério e justo” contra a corrupção e a impunidade em Angola.

As duas tentativas de manifestação anteriores em Luanda, capital angolana, foram duramente reprimidas pela polícia e acabaram com uma centena de manifestantes detidos, em 24 de outubro, libertados uma semana mais tarde. Um estudante morreu em 11 de novembro, data da celebração da independência em Angola.

As circunstâncias em que o jovem morreu estão ainda por determinar, com testemunhas a afirmarem que Inocêncio de Matos, de 26 anos, foi baleado pela polícia, enquanto médicos do hospital Américo Boavida indicam que a causa da morte foi uma agressão com objeto contundente não especificado.

A polícia dispersou os jovens, nesse dia, com gás lacrimogéneo e canhões de água, mas garantiu não ter usado meios letais.

“Angola Diz Basta”

Os promotores da manifestação deste sábado (21.11) e, os membros da sociedade civil angolana Laura Macedo, Helena Vitória Pereira, Fernando Macedo, Leandro Freire e Mwata Sebastião, divulgaram um cartaz com o ‘slogan’ “Angola Diz Basta!!!”.

O cartaz alusivo à iniciativa exorta os angolanos a “sair do Facebook e exigir justiça”, para dizerem “basta” à “falta de seriedade e transparência na luta contra a corrupção, manipulação da imprensa, mentiras e adiamentos das eleições autárquicas”.

A concentração está marcada para as 12h locais no Largo da Independência (1.º de maio) em Luanda e foi comunicada ao Governo Provincial de Luanda em 28 de setembro.

Em actualização…

Siga-nos

0FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.