- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Política João Caholo confirmado no secretariado executivo

João Caholo confirmado no secretariado executivo

O diplomata angolano João Samuel Caholo assume, desde ontem, o cargo de secretário executivo da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL).

Depois de ter sido aprovada, a 7 deste mês, pelo Conselho de Ministros, a candidatura de Angola foi ratificada, ontem, pelos Chefes de Estado e de Governo da organização. O diplomata substitui o congolês Zachary Muburi-Muita.
Diplomacia activa

João Caholo defendeu a aposta na mediação política e na diplomacia activa, para a resolução dos vários conflitos que assolam a região.Em declarações à imprensa, após a confirmação no cargo, o diplomata disse que, para o efeito, será realizado um programa de reestruturação e renovação do Secretariado Executivo, para torná-lo num instrumento multilateral e eficiente, à altura das expectativas dos países membros e parceiros de cooperação internacional.

“No cumprimento da minha missão, dedicar-me-ei às questões estruturantes da organização e das instituições do pacto, à mediação política e à diplomacia activa, para trabalhar e agir no interesse da região”, afirmou.

João Caholo considerou aqueles factores importantes para promover a paz, segurança, estabilidade e desenvolvimento dos países membros. João Samuel Caholo nasceu, a 10 de Julho de 1956, no Luena, província do Moxico.

É engenheiro geólogo de formação e serve a diplomacia angolana há mais de 20 anos. Da experiência diplomática destacam-se as funções de secretário executivo adjunto para a Integração Regional da SADC (2009 – 2013) e as de secretário executivo adjunto da SADC (2005 – 2009).

Durante a trajectória diplomática, o engenheiro já trabalhou para a União Africana e União Europeia, em todos os países membros da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), bem como em vários da África do Norte, Oriental, Ocidental e Central.

João Caholo dedicou o saber em missões que lhe foram confiadas nos países Nórdicos, Europa Ocidental, Federação da Rússia, América do Norte, América do Sul e Ásia.
Situação financeira

A Cimeira da CIRGL, de ontem, analisou, também, entre outros, temas relacionados com a situação financeira da organização, com destaque para o orçamento. Neste caso, foi aprovado o montante de 19 milhões de dólares para 2020-2021, dos quais nove milhões para este ano e dez milhões, para 2021.Em declarações à imprensa, no final da Cimeira, o ministro das Relações Exteriores, Téte António, disse que aquele valor foi aprovado, tendo em conta as condições actuais.

O chefe da diplomacia angolana disse terem sido introduzidas na organização boas práticas na gestão do orçamento. “Quer dizer que, a partir de agora, haverá a prática da auditoria às finanças da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos”, realçou.

Em relação aos relatório sectoriais, Téte António disse ter merecido muita atenção o relatório dos ministros da Defesa, por abordar situações de conflitos existentes na região, nomeadamente na RCA, RDC, Sudão do Sul e Sudão.O ministro não entrou em pormenores sobre a situação individual de cada país, mas sublinhou que a grande preocupação, neste momento, recai na presença de grupos armados na RCA, por “ser urgente” a sua erradicação.

Téte António disse que o bom desempenho do país, a frente da organização, determinou a sua eleição novamente. A delegação angolana contou com a presença dos ministros da Defesa Nacional e Veterano da Pátria, João Ernesto dos Santos, das Relações Exteriores, Téte António, das Finanças, Vera Daves, da Saúde, Sílvia Lutuca, do director do Gabinete do Presidente da República, Edeltrudes Costa, e do secretário do Presidente para os Assuntos de Comunicação Institucional e de Imprensa, Luís Fernando.

O evento foi acompanhado, também, a partir do edifício sede do Ministério das Relações Exteriores, à Mutamba, onde estiveram outros altos representantes da diplomacia angolana, entre os João Caholo.Além de Angola, são membros da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos Burundi, Congo, República Democrática do Congo, República Centro-Africana, Rwanda, Sudão, Sudão do Sul, Tanzânia, Uganda e Zâmbia.

- Publicidade -
FonteJA
- Publicidade -

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...
- Publicidade -

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Notícias relacionadas

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Sonangol e Endiama serão parcialmente privatizadas até 2022

O Governo vai dispersar em bolsa uma parte das empresas petrolífera e diamantífera Sonangol e Endiama em 2021 ou no início de 2022, disse...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.