- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Candidatos apoiados por Bolsonaro fracassam nas eleições municipais

Candidatos apoiados por Bolsonaro fracassam nas eleições municipais

Eleitores preferiram muitas vezes candidatos de partidos tradicionais, expondo a vulnerabilidade da “anti-política” do Presidente.

As eleições municipais deste domingo no Brasil foram marcadas por vários maus resultados de candidatos apoiados pelo Presidente Jair Bolsonaro, por exemplo na cidade de São Paulo, onde o candidato apoiado pelo Presidente, o jornalista Celso Russomanno, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), não vai chegar a disputar uma segunda volta, que será entre o actual prefeito Bruno Covas, do Partido da Social Democracia Brasileira, e Guilherme Boulos, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) – uma boa parte dos municípios terá uma segunda volta a 29 de Novembro.

Apesar de nestas eleições o factor local ser muito importante, os resultados são vistos como podendo dar pistas para a política nacional. O jornal O Globo resumia em título: “Freio na antipolítica, fracasso de Bolsonaro”. Na mesma linha, o analista Creomar de Souza, do grupo Dharma Political Risk and Strategy, disse à agência Reuters: “A pandemia pôs um travão na tendência antipolítica e rejeição dos partidos tradicionais por serem corruptos”, declarou. “Os eleitores perceberam que os políticos eleitos por Bolsonaro em 2018 têm falhas e querem ver os serviços públicos melhorar.”

O Estado de São Paulo sublinha que Bolsonaro fez campanha por 59 candidatos, mas só nove foram eleitos. Durante a contagem dos votos, Bolsonaro chegou a apagar uma publicação nas redes sociais em que tinha apelado ao voto a vários candidatos. Mais tarde, o Presidente desvalorizou os maus resultados dos candidatos por si apoiados, preferindo sublinhar a “histórica derrota” da esquerda, garantindo que “a onda conservadora chegou em 2018 para ficar”.

A gestão da pandemia foi um factor determinante para as escolhas dos brasileiros. Em Belo Horizonte, por exemplo, o prefeito Alexandre Kalil decretou medidas de quarentena e distanciamento físico para limitar a transmissão do vírus que provoca a covid-19 e que foram criticadas por Bolsonaro, que desvalorizou a pandemia. Kalil foi agora reeleito com 63% dos votos.

No Rio de Janeiro, o antigo prefeito Eduardo Paes do partido Democratas (DEM) ia à frente na corrida e enfrentará o actual detentor do cargo, o bispo evangélico Marcelo Crivella, dentro de duas semanas. Crivella foi apoiado por Bolsonaro e a sua passagem à segunda volta é uma das poucas boas notícias para o Presidente, que tem no Rio de Janeiro um importante território político.

Em Salvador da Bahia, foi eleito Bruno Reis, do DEM; o partido venceu ainda na primeira volta corridas em Curitiba e Florianópolis.

Partidos tradicionais como o DEM e o PSDB tiveram bons resultados, expondo a vulnerabilidade de Bolsonaro não ter partido: o Partido Social Liberal (PSL).

O seu projecto de criar de raiz um partido, o Aliança pelo Brasil, foi um fracasso e a única esperança é que esteja pronto a tempo de 2022. “Foi um tiro no pé”, considerou o professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais, Carlos Félix de Melo, entrevistado antes da votação pelo PÚBLICO.

O falhanço dos “bolsonaristas” nas primeiro teste eleitoral desde que Bolsonaro está no Palácio do Planalto ficou patente com o resultado do filho do Presidente, Carlos, que, embora tenha conseguido ser reeleito como vereador no Rio de Janeiro, perdeu o estatuto de mais votado para Tarcísio Motta, do PSOL.

No Twitter, o antigo ministro da Justiça do Governo de Bolsonaro e juiz da operação anti-corrupção Lava-Jato Sergio Moro fez a sua análise da eleição, sublinhando o “fracasso” dos candidatos apoiados pelo Presidente e considerando o PSOL o partido mais relevante da esquerda.

O Partido dos Trabalhadores, do antigo Presidente Lula da Silva, teve alguns maus resultados, como uma votação historicamente baixa em São Paulo (8,7%), perante o bom resultado do PSOL (20%).

A eleição foi ainda marcada por um problema técnico num computador do Tribunal Superior Eleitoral, o que levou a um atraso na apuração de votos, embora o tribunal garanta que nenhum dado foi perdido. O incidente já está a ser usado por aliados de Bolsonaro para lançar teorias para tentar desacreditar o sistema eleitoral.

O facto de ter havido uma tentativa para derrubar o sistema através de um ataque informático levado a cabo a partir de Portugal (embora também com hackers da Nova Zelândia e do Brasil) foi referido para dar força a estas teorias, embora o ataque tenha fracassado.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.