- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Homens armados decapitam 50 pessoas em Cabo Delgado

Homens armados decapitam 50 pessoas em Cabo Delgado

Homens armados pertencentes ao grupo Estado Islâmico (Daseh) decapitaram mais de 50 pessoas, no Norte de Moçambique, entre a passada sexta-feira e domingo. Foi o pior ataque levado a cabo por um grupo ligado ao Estado Islâmico em Moçambique de que há memória, referiu, ontem, a BBC.

No dia 6 de Novembro, o grupo atacou de surpresa a aldeia de Nanjaba, na província de Cabo Delgado, dispararam contra vários habitantes e incendiaram várias casas. Duas pessoas foram imediatamente decapitadas e várias mulheres violadas. Os atacantes gritaram “Allahu Akbar” (Alá é grande) antes de dispararem. Depois, os jihadistas invadiram a aldeia de Muatide, tendo a ofensiva atingido níveis nunca antes vistos: os terroristas transformaram um campo de futebol nos arredores num campo de extermínio. Os que tentavam fugir eram transportados para aí e decapitados, sendo o resto dos corpos conservados no local, ao que avança a BBC, citando a “Pinnacle News”. Mais de meia centena de pessoas foram assassinadas.

Não é a primeira vez que grupos afectos ao Estado Islâmico ataca de surpresa zonas de Moçambique e no Sul de África, sendo que, para além de deixarem um rasto de destruição por onde passam, tentam recrutar jovens para aumentar a influência islâmica na zona.

O Governo moçambicano já pediu auxílio internacional para ajudar a travar este terrorismo. Mais de duas mil pessoas já foram mortas por grupos jihadistas e cerca de 430 mil ficaram sem casa em Moçambique, devido aos ataques, segundo a BBC.

Em Abril, outro ataque do género vitimou mais 50 pessoas e no início deste mês nove pessoas também foram decapitadas na província de Cabo Delgado. O Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, condenou, ontem, “veementemente” os alegados massacres em Cabo Delgado e instou as autoridades do país a conduzir uma investigação sobre os incidentes.

“O Secretário-Geral está chocado com os recentes relatos de massacres perpetrados por grupos armados em várias aldeias na província de Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, incluindo a decapitação e rapto de mulheres e crianças”, pode ler-se num comunicado divulgado pelo porta-voz, Stephane Dujarric. Na nota, acrescenta-se que o responsável da ONU “condena veementemente essa brutalidade atroz e apela a todas as partes em conflito para que cumpram as suas obrigações ao abrigo do Direito Internacional Humanitário”.

O Secretário-Geral reiterou o compromisso das Nações Unidas em continuar a apoiar a população e o Governo de Moçambique na abordagem urgente das necessidades humanitárias imediatas e nos esforços para defender os direitos humanos, promover o desenvolvimento e prevenir a propagação do extremismo violento.

Iranianos acusados de ajudar os rebeldes
O Ministério Público moçambicano acusou, ontem, 12 iranianos de apoiarem os grupos rebeldes em Cabo Delgado, mantendo-os em prisão preventiva, anunciou uma fonte judicial, citada pela Lusa.

O grupo foi detido em Dezembro de 2019 numa embarcação carregada de armas ao largo da baía de Pemba, capital provincial de Cabo Delgado. O Ministério Público acusa-os de terrorismo, associação para delinquir, porte de armas proibidas e crime de organização contra o Estado, ordem e tranquilidade públicas, segundo a informação citada ontem pela Rádio Moçambique.

De acordo com a argumentação do caso, os 12 iranianos pertencem a uma organização extremista e iam abastecer com armas e munições os insurgentes que têm atormentado a região. O grupo transportava na embarcação metralhadoras AK47, caçadeiras, pistolas e munições, binóculos, uma motorizada e um cartão de crédito.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.