- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade Um ano do programa Kwenda: Futuro das famílias angolanas beneficiadas é incerto

Um ano do programa Kwenda: Futuro das famílias angolanas beneficiadas é incerto

O programa de transferências monetárias em Angola, Kwenda, já na primeira fase de expansão, projectado para ajudar 62.935 agregados familiares em situação de extrema pobreza na província de Benguela, está a ser questionado por agentes comunitários preocupados com o futuro de cidadãos que perdem a assistência financeira um ano depois do arranque.

Dois dos 10 municípios de Benguela, designadamente Ganda e Chongoroi, estão prestes a receber o “Kwenda”, numa altura em que o elevado custo de vida dá lugar a protestos, juntando-se aos cinco de outras províncias que fizeram a experiência piloto desta iniciativa presidencial.

Situados a 156 e 201 quilómetros da cidade de Benguela, Chongoroi e Ganda estão já a mobilizar e a formar jovens que trabalharão com as comunidades beneficiárias, identificadas mediante um critério que aponta para a inexistência total de serviços básicos.

O chefe de departamento executivo provincial do Fundo de Apoio Social (FAS), Fernando Rodrigues Cristóvão, lembra que o Kwenda’ abarca igualmente a componente inclusão produtiva, para lá dois 8.500.00 kwanzas mensais previstos para cada agregado familiar.

’’Temos famílias em situação de extrema pobreza, sem o que comer e às vezes mesmo com dificuldades para manter o agregado. Mas tem a componente da inclusão produtiva, que vai dar outros benefícios a famílias com capacidade’’, diz Cristóvão, lembrando que é “após a fase das transferências sociais monetárias, que tem apenas um ano’’.

O programa, co-financiado pelo Banco Mundial e Governo angolano, num total de 420 milhões de dólares, não é apenas relativo a transferências monetárias.

Esta situação alimenta a crítica do evangelista da Igreja Católica João Guerra, com uma vasta experiência em programas comunitários.

‘’A iniciativa não é má, mas peca primeiro no valor, que não dá sequer para um saco de arroz. Segundo, se não continua … isto é para pintar o olho do cidadão, porque a fome não é só para um ano’’, alerta Guerra.

“Se calhar o pouco até serviria, mas se é apenas um acto, e não um processo era melhor não dar o rebuçado ao cidadão, ele não vai continuar a chupar”, conclui.

O consultor social João Misselo da Silva, quadro da Organização Humanitária Internacional, teme que o Kwenda’ seja mais um programa sem efeitos práticos, pelo que sugere um debate alargado entre o Governo, sociedade civil e financiadores internacionais.

“Para reflectir se eventualmente tem estratégia de sustentabilidade, temos de adoptar outro modelo, com reflexos sociais e económicos na vida dos vulneráveis. Não pode ser mais um daqueles que vemos’’, sugere aquele consultor.

As autoridades angolanas esperam apoiar um milhão 608 mil famílias até 2022.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.