- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas pessoas morreram e mais de 50 ficaram feridas.

O novo protesto, marcado para 11 de novembro, visa exigir o afastamento do diretor do gabinete do Presidente da República, Edeltrudes Costa, que terá sido supostamente favorecido em contratos com o Estado, segundo uma reportagem da televisão portuguesa TVI. Os jovens pretendem também protestar contra o desemprego, a fome e a falta de oportunidades para a juventude.

marcha de sábado (24.10), onde os jovens fizeram as mesmas reinvidicações, foi reprimida pela polícia. Segundo os manifestantes, duas pessoas morreram e mais de 50 ficaram feridas. Dezenas de pessoas foram detidas. 300 estão desaparecidas.

Os jovens são acusados de desrespeitar o decreto presidencial que entrou em vigor no sábado e que proíbe ajuntamentos de mais de cinco pessoas na via pública. Alguns manifestantes são também acusados de ofensas corporais e de danificar bens públicos. No entanto, os ativistas negam terem sido os autores dos atos de vandalismo registados durante o protesto, atirando a culpa a “pessoas infiltradas”, supostamente mobilizadas pelos serviços secretos.

“Segundo os levantamentos que fizemos, há uma chamada turma do apito, que reside no Sambizanga. […] Essa turma do apito terá sido recrutada pelos agentes dos serviços secretos e foram transportando pneus que colocaram na via pública”, afirmou o porta-voz dos promotores da marcha, Dito Dalí.

Angola Luanda | Demonstration | Gegen Polizeigewalt Protesto no sábado passado em Luanda

O ativista apela ao Presidente angolano, João Lourenço, que liberte os 103 manifestantes que foram detidos e estão a ser julgados desde o início da semana.

“Na sexta-feira, tivemos informações seguras de que os serviços secretos terão reunido com o Presidente, aconselhando-o a não abortar a manifestação. Mas o Presidente entendeu que a manifestação tinha de ser proibida e reprimida”, afirmou Dito Dalí durante uma conferência de imprensa esta quarta-feira (28.10).

“Só chegámos onde estamos por causa da irresponsabilidade do próprio Presidente da República. Estamos a pedir ao Presidente da República, que é ele que tem estado a instrumentalizar os tribunais para dar ordens aos juízes e procuradores, no sentido de colocar os nossos irmãos em liberdade.”

Igreja poderá mediar diálogo com Governo?

O Movimento Jovens Pelas Autarquias, que convocou a manifestação de sábado, reuniu na tarde desta quarta-feira com a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST). No encontro foi abordado o atraso na implementação das autarquias, entre outros problemas que o país enfrenta.

Os jovens pediram a intervenção da Igreja Católica para mediar conversações com o Governo angolano, pois sentem-se excluídos do debate pela institucionalização das autarquias.

Celestino Epalanga, secretário-geral da comissão episcopal de Justiça, Paz e Migrações da CEAST, que se reuniu com os jovens, referiu que o diálogo entre as diferentes partes é fundamental.

“Somos todos angolanos e este país não pode ser privatizado. Parece-nos que o país foi privatizado, onde uma elite política que teve a oportunidade logo a seguir à independência herdou o país e pensou que o país fosse uma propriedade privada”, disse o padre angolano.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...
- Publicidade -

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Notícias relacionadas

Potencial petrolífero é de 40 mil milhões de dólares

As empresas angolanas do sector petrolífero apenas aproveitam cerca de 10 por cento do potencial estimado em 40 mil milhões de dólares que a...

França quer punir delito de “ecocídio”

Proposta apoiada pelo governo prevê pena de até dez anos de prisão e multa de até 4,5 milhões de euros para quem causar danos...

Burkina Faso: Jihadistas impedem o voto de 300 mil eleitores

As eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso tiveram lugar num contexto de ameaças de grupos radicais islâmicos. Não houve registo de violência na...

Obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda retomadas em Janeiro de 2021 e sem financiamento adicional, garante ministro dos Transportes

As obras do novo aeroporto internacional de Luanda vão ser retomadas no princípio de 2021 e serão concluídas no prazo de dois anos, garantiu...

Sonangol e Endiama serão parcialmente privatizadas até 2022

O Governo vai dispersar em bolsa uma parte das empresas petrolífera e diamantífera Sonangol e Endiama em 2021 ou no início de 2022, disse...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.