- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Crónicas e Artigos O Estado da Nação

O Estado da Nação

É importante que saibamos o que é e o que se deve esperar do discurso sobre o Estado da Nação. Assim evitam-se falsas expectativas e sabemos com o que podemos contar. Se assim não for, qualquer dia dar-se-á início a um mercado de apostas e ganharão aqueles que apostarem no inverossímil.

Falar do discurso sobre o Estado da Nação passa por que se questione qual a natureza e o objectivo do mesmo. E há uma diferença entre estes, a que se acrescenta a questão relativa ao “afinal, o que é que os angolanos querem ouvir”.

A expectativa em torno do mesmo, particularmente alimentada pela comunicação social (o que se compreende), atinge o seu paroxismo nas vésperas do aprazado dia. Pensar-se-á, porventura, que as opiniões debitadas poderão ser consideradas e rasuradas no discurso. Parece-me que não tem sido esse o caso.

Entre o que é ou tem sido e o que deverá ser, há um espaço considerável de desconforto, mas também de correção, que o discurso que abre o novo ano legislativo, considerado o mais importante do PR em cada ano, deve ter em atenção.

Entre programa e prioridades, assim foi o discurso sobre o Estado da Nação de 2017. Claro e objectivo. O de 2018 foi um balanço, factual, na senda do anterior. O de 2019, positivo, abriu portas à esperança (criação de 161.997 empregos, 1 401 235 barris de crude por dia, com tendência pra subir para 1 436 900 em 2020). E fastidioso. Vejamos o deste ano de 2020 .

Sobre o discurso, muito se disse antes. Também eu fui convidada para participar num programa radiofónico. Declinei, e permaneci no meu pequeno mundo. Declinei, entre outras razões (aliás, como já faço há algum tempo) por não saber se estava em condições de acrescentar algo.

Por preferir a escrita. Mas também porque o que poderia pensar poder ser uma ideia meritória e dizê-la no programa, poderia ser simplesmente interpretado com a conhecida expressão “armada!!!“, ou ainda “quem é que ela pensa que é!!!”, muito comum na banda. Se tivesse participado no referido programa, algumas das coisas que diria e quem me conhece, sabe bem que teria dito! – que entendo dever ser preocupação do PR e/de quem escreve os seus discursos, são as seguintes (válido para este e outros discursos e não necessariamente na ordem em que o apresentamos):

i) conhecer os problemas e anseios reais das populações; ii) saber a que público se dirige; iii) definir as linhas mestras do discurso; iv) saber exactamente o que quer dizer;

v) saber o que deve dizer; vi) saber como dizer; vii) ser claro; viii) ser objectivo; ix) ler o discurso antes (o PR); x) alterar (acrescentar, limpar) se necessário for; xi) treinar a leitura (o PR).

Sobre o discurso, também muito se disse, depois. Corro o sério risco de, mais uma vez, não trazer nada de novo, mas não resisto a tecer algumas considerações. Uma das questões abordadas foi o que alguns chamam o “modelo” do discurso, outros chamar-lhe-ão “forma”, já abordado atrás. Mas o que verdadeiramente está em causa é o conteúdo, e é sobre o mesmo que passo a dedicar algumas linhas.

O discurso terá sido feito mais para o consumo externo do que interno, pois a ideia que fica é que as expectativas de todos, incluindo as dos militantes e deputados do partido no poder, que obviamente não o admitem, terão sido goradas. E porquê? Porque assim como o país, também o discurso deveria ter (tido) diferentes andamentos. Como uma sinfonia.

Não foi o que ouvimos ou lemos. Damos um sim, à prestação de contas, outro sim, ao enaltecimento do trabalho do governo/executivo, mas feitos de forma moderada. Um claro e maiúsculo NÃO, à ausência de SENSIBILIDADE para com a sorte dos menos afortunados que esta pandemia agravou ainda mais.

Um claro e maiúsculo NÃO, ao facto de não se ter dirigido directamente à JUVENTUDE, que constitui a maioria da população, que clama por emprego sobretudo se considerarmos que aguarda e cobra, cada vez mais, os prometidos 500 mil.

Em suma, o discurso não foi bom. Foi um não discurso. Mais pareceu o texto de um/a contabilista, uma factura, um recibo… Um texto mecânico, lido num tom monocórdico, e não poderia ser de outro modo.

Não estava bem escrito, não conseguiu passar a tão necessária mensagem de que o governo/executivo (até) está a trabalhar, não conseguiu passar a tão necessária esperança, sobretudo num tempo complicado como este que vivemos. Foi um flop.

Não se exige que os discursos do PR sejam como os do Obama, mas que é possível fazer melhor, penso que ninguém tem dúvidas. Para que assim seja, a equipa que escreve os discursos do PR deverá ser multidisciplinar. E por multidisciplinaridade, neste caso, deve entender-se uma conjugação de economistas, contabilistas, cientistas sociais, competência, rigor, técnica, e sensibilidade.

Levantou-se o circo! E com ele a prestidigitação. A azáfama terminou. Para o ano há mais!

 

- Publicidade -
FonteO País
- Publicidade -

Unita volta a pedir comissão de inquérito

Deputados da Unita abordam, nesta quarta-feira, 2, em conferência de imprensa, o pedido da criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), remetido à...
- Publicidade -

O que falha em Angola na luta contra a SIDA? Quase tudo, diz a ANASO – “Foram os senhores de gravata que mais contribuíram...

O que falta em vontade política, sobra em fome e miséria. O que falta em prevenção, sobra em novas infecções e mortes. E a...

Directora-geral da Saúde de Portugal infectada com Covid-19

A diretora-geral da Saúde está infetada com covid-19, confirmou Graça Freitas ao jornal "Expresso". Graça Freitas está com sintomas ligeiros. A responsável pela autoridade nacional de...

Manuel Rabelais começa a ser julgado no dia 9 deste mês

O antigo director do GRECIMA, Manuel Rabelais, começa a ser julgado pelo Tribunal Supremo (TS) na próxima quarta-feira, dia 09, por crime de peculato,...

Notícias relacionadas

Unita volta a pedir comissão de inquérito

Deputados da Unita abordam, nesta quarta-feira, 2, em conferência de imprensa, o pedido da criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), remetido à...

O que falha em Angola na luta contra a SIDA? Quase tudo, diz a ANASO – “Foram os senhores de gravata que mais contribuíram...

O que falta em vontade política, sobra em fome e miséria. O que falta em prevenção, sobra em novas infecções e mortes. E a...

Directora-geral da Saúde de Portugal infectada com Covid-19

A diretora-geral da Saúde está infetada com covid-19, confirmou Graça Freitas ao jornal "Expresso". Graça Freitas está com sintomas ligeiros. A responsável pela autoridade nacional de...

Manuel Rabelais começa a ser julgado no dia 9 deste mês

O antigo director do GRECIMA, Manuel Rabelais, começa a ser julgado pelo Tribunal Supremo (TS) na próxima quarta-feira, dia 09, por crime de peculato,...

Lewis Hamilton testa positivo para a Covid-19 e falha GP de Sakhir

O piloto Lewis Hamilton "acordou na segunda-feira de manhã com sintomas ligeiros". O piloto britânico Lewis Hamilton (Mercedes) testou positivo à Covid-19 e não vai...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.