- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Empresários deixam Beira deserta em protesto contra onda de raptos

Empresários deixam Beira deserta em protesto contra onda de raptos

Centenas de estabelecimentos comerciais não abriram as portas nesta sexta-feira, 23, na Beira, a segunda maior cidade de Moçambique, no primeiro de três dias de protestos contra raptos, convocados por um movimento empresarial.

Um grupo de empresários anunciou ontem que o comércio formal vai encerrar por três dias consecutivos, numa greve pacífica para forçar o Governo a garantir a segurança dos cidadãos e a travar os raptos, que se tornaram uma “realidade endémica”.

A greve dos empresários tem o apoio de grande parte da população que quer um Governo mais actuante na garantia da segurança da sua população, sobretudo da classe que dinamiza a economia real do país.

“Esses raptos de certa forma acabam nos afectando indirectamente, são irmãos que ficam desempregados com a desistência nos negócios por parte dos empresários, e nós, ambulantes, ficamos sem ter onde comprar produtos”, contou à VOA Afonso Paulo, um vendedor ambulante.

O analista Sansão Nhancale considera que a paralisação vai afectar em cascata o comércio informal, por encontrar-se inteiramente dependente do formal, com consequências sociais drásticas.

“Estes empresários representam de 70 a 80 por cento do comércio formal na Beira e a paralisação ira afectar a economia da cidade e com consequências sociais que dai advém”, acentua Nhancale, para quem a pressão empresarial é proporcional ao sentimento de insegurança.

Ao anunciar a greve ontem, Zeyn Badati, porta-voz dos empresários, afirmou que “cada rapto vencedor mina a confiança no país, retrai o investimento nacional e estrangeiro, destrói negócios viáveis já instalados, desacredita o Estado e seus agentes e empondera o crime e os criminosos”.

Os empresários disseram que as cidades da Beira e Maputo, a capital, tornaram-se “em paraíso para as quadrilhas de raptores” e acusam o Governo de pouco fazer para parar o fenómeno.

“Nós cumprimos com as nossas obrigações, contribuir com os nossos impostos”, mas o Estado não garante a segurança e “a omissão por parte do Estado moçambicano está a fortificar a indústria dos raptos”, calcula o movimento.

“Somos cidadãos contribuintes do Estado, mas em paralelo acabamos por ser, de forma involuntária e violenta, contribuintes para a indústria de raptos, ao pagar os resgates (…), e esta situação é insustentável e inaceitável”, avançam os empresários que exigem uma “Beira livre de raptos”.

O caso de rapto mais recente ocorreu no domingo, 18, quando um grupo disparou vários tiros contra um filho de um empresário da Beira, ao resistir a um rapto.

O jovem escapou com ferimentos múltiplos.

O incidente ocorreu pouco dias depois de um empresário em Maputo ter sido morto a tiros quando resistiu a um rapto na hora que encerrava o seu estabelecimento.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -

Parlamento anula transferência de 476 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

Proposta do BE foi aprovada com votos a favor do PSD, PCP e PAN. O PS acusou já de madrugada o PSD de “irresponsabilidade...
- Publicidade -

Euclides da Lomba no “Conversas Acústicas”

O músico Euclides da Lomba é o convidado do programa Conversas Acústicas, a decorrer domingo, no Espaço Luanda. O evento consiste em noites multiculturais de...

PF investiga crimes na Petrobras em nova fase de Lava Jato

Autoridades cumprem dois mandados de busca e apreensão em Angra dos Reis e Aruruama, ambas cidades do Rio de Janeiro A PF deflagrou na última...

Livro “Recado aos chefes” já nas bancas

“Recado aos chefes” é o título do livro do jornalista José Ricardo André Francisco “Zé Ricardo”, que já está disponível nas livrarias, depois do...

Notícias relacionadas

Parlamento anula transferência de 476 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

Proposta do BE foi aprovada com votos a favor do PSD, PCP e PAN. O PS acusou já de madrugada o PSD de “irresponsabilidade...

Euclides da Lomba no “Conversas Acústicas”

O músico Euclides da Lomba é o convidado do programa Conversas Acústicas, a decorrer domingo, no Espaço Luanda. O evento consiste em noites multiculturais de...

PF investiga crimes na Petrobras em nova fase de Lava Jato

Autoridades cumprem dois mandados de busca e apreensão em Angra dos Reis e Aruruama, ambas cidades do Rio de Janeiro A PF deflagrou na última...

Livro “Recado aos chefes” já nas bancas

“Recado aos chefes” é o título do livro do jornalista José Ricardo André Francisco “Zé Ricardo”, que já está disponível nas livrarias, depois do...

Moçambique: Lisboa envia equipa avaliar necessidade de apoio em Cabo Delgado

Na próxima semana chega a Moçambique uma delegação portuguesa que vai reunir com o Governo moçambicano para se especificar o tipo de apoio que...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.