- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Jovem que abandonou filho no lixo condenada a nove anos de prisão

Jovem que abandonou filho no lixo condenada a nove anos de prisão

A 1ª e a 9ª comissões vão levar a discussão a suspensão de mandato e retirada de imunidades ao antigo ministro da Comunicação Social e deputado, Manuel Rabelais, amanhã, sexta-feira, 23, depois de um pedido do Tribunal Supremo ter dado entrada na Assembleia Nacional, disse ao Novo Jornal o deputado e presidente da bancada parlamentar do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), Américo Cuononoca.

Américo Cuononoca informou ainda que o assunto, depois de discutido pela Comissão de Assuntos Constitucionais e Jurídicos e pela Comissão de Mandatos, Ética e Decoro Parlamentar,sobe à plenária na terça-feira, 27 de Outubro.

Manuel Rabelais está acusado pelo Ministério Público dos crimes de peculato, violação das normas orçamentais,recebimento indevido de vantagens e branqueamento de capitais e não pode ser detido sem que lhe seja retirada a imunidade parlamentar, conferida pela sua condição de deputado.

Segundo a PGR, Manuel Rabelais, actualmente deputado à Assembleia Nacional pelo MPLA,foi constituído arguido por haverindícios de factos que constituem “actos de gestão danosa de bens públicos, praticados enquanto director do Gabinete de Revitalização da Comunicação Institucional e marketing (GRECIMA)”, entre 2012 e 2017.

Os crimes terão sido cometidos quando Manuel Rabelais era director do GRECIMA (Gabinete de Revitalização e Execução da Comunicação Institucional e Marketing da Administração), um órgão criado em 2012, para auxiliar o então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na “coordenação e implementação das linhas político-estratégicas relativas à comunicação e marketing” do Governo, a nível externo e interno.

O despacho de acusação refere que Rabelais terá usado os seus poderes enquanto director do GRECIMA, para adquirirjunto do Banco Nacional de Angola (BNA) divisas que eram posteriormente canalizadas para o BCI (Banco de Comércio e Indústria) para efectivar operações cambiais de compra e transferência de divisas, alegando “compromissos do Estado angolano”.

A acusação salienta que Manuel Rabelais, auxiliado por Hilário Santos, co-arguido no processo, “transformou o GRECIMA em autêntica casa de câmbios, angariando empresas e pessoas singulares para depositarem kwanzas em troca de moeda estrangeira”, indicando quatro empresas que depositaram valores na conta do GRECIMA, bem como pessoas singulares, das quais apenas sete foram já identicadas.

Foram também feitos depósitos nas contas do GRECIMA domiciliadas noutros bancos comerciais (BIC, BPC, BAI e SOL).

“De realçar que à medida em que eram adquiridas as divisas no BNA e aprovisionadas nas contas do GRECIMA nos bancos comerciais, com os depósitos de empresas e pessoas singulares”, Manuel Rabelais ia ordenando a Hilário Santos que efectivasse “um plano de levantamento, compra e venda ou transferência das mesmas”, lê-se no despacho de acusação.

O despacho refere igualmente que os arguidos transferiram para fora do país, através do banco BCI, um total superior a 16 milhões de euros para 11 empresas.

Manuel Rabelais era, segundo a acusação, beneciário efectivo de três destas empresas (Radwan Limited, Bencland Holdings Limited e Zilfor Lda.), através das quais recebia os valores, que por sua vez movimentava “para outras contas pessoais e de seus parentes”, totalizando cerca de 2,8 milhões de euros.

Em sede de contraditório, o antigo governante alegou relativamente à transferência destes valores que o fez “no interesse e protecção do Estado angolano, pois não podia usar o nome do Estado em operações de natureza secreta e tudo foifeito por orientação e conhecimento do Presidente da República”.

Alegou ainda, quanto à aquisição de divisas, “ter sido um expediente utilizado pelo GRECIMA e outros órgãos do Estado (…)” para obterreceitas que lhes permitissem satisfazer as suas despesas, também com conhecimento do Presidente da República.

Os arguidos zeram também transferências da conta do GRECIMA no BPC, no valor de quase 13 milhões de kwanzas (32,5 mil euros) para um beneciário desconhecido, enquanto no BIC consta uma transferência de mais 8 milhões de kwanzas (20,2 mil euros) a favor da Euronews.

No total, são cerca de 21 milhões de kwanzas (53 mil euros), “despesas efectuadas sem qualquer documento de suporte”. Além das transferências, os arguidos zeram directamente, através da conta do GRECIMA, compra de divisas e levantamentos no valor superior a 16 mil milhões de kwanzas (40,3 milhões de euros).

O total dos movimentos bancários feitos na conta do GRECIMA, incluindo compra e transferência de divisas, bem como levantamento, totaliza mais de 19 mil milhões de kwanzas (47,9 milhões de euros).

O documento acrescenta que o GRECIMA “beneciou de 4,5 mil milhões de kwanzas (11,2 milhões de euros), valores de que foram beneciárias” as empresas Vitalopen, Achieve, Semba Comunicação, Goldex, Consulcom, JGK & Filhos, Oakloade Investments, bem como o Instituto Nacional de Segurança Social e o próprio GRECIMA, não havendo provas de que tenham prestado algum serviço ao Estado.

No requerimento de instrução contraditória (uma fase ainda investigatória do processo), a PGR pede a audição de José Eduardo dos Santos para determinar “se terá autorizado o arguido Manuel Rabelais a realizar todas as operações bancárias a ele imputadas”

- Publicidade -
- Publicidade -

Jornalistas agredidos em Nampula em pleno trabalho

Os profissionais foram agredidos e seus equipamentos retidos Dois jornalistas do canal televisivo moçambicano Media Mais TV foram agredidos na terça-feira, 24, num bairro da...
- Publicidade -

Família de manifestante morto em Luanda insiste em autópsia independente com presença de fotógrafo

Depois da recusa da PGR, quarta tentativa está marcada para amanhã Três semanas após a morte do estudante angolano Inocêncio Alberto de Matos durante a...

Petróleo ilumina mercados

O preço do barril de Brent negociou, ontem, ao meio-dia, no mercado de Londres, no valor de 47,70 dólares, uma variação positiva de 1,62...

PM guineense quer manter ministro da Economia no Governo e recusa sua demissão

Victor Mandinga pediu demissão depois da nomeação de vice-primeiro-ministro O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Nuno Gomes Nabiam, disse nesta terça-feira, 24, não ter aceite o pedido...

Notícias relacionadas

Jornalistas agredidos em Nampula em pleno trabalho

Os profissionais foram agredidos e seus equipamentos retidos Dois jornalistas do canal televisivo moçambicano Media Mais TV foram agredidos na terça-feira, 24, num bairro da...

Família de manifestante morto em Luanda insiste em autópsia independente com presença de fotógrafo

Depois da recusa da PGR, quarta tentativa está marcada para amanhã Três semanas após a morte do estudante angolano Inocêncio Alberto de Matos durante a...

Petróleo ilumina mercados

O preço do barril de Brent negociou, ontem, ao meio-dia, no mercado de Londres, no valor de 47,70 dólares, uma variação positiva de 1,62...

PM guineense quer manter ministro da Economia no Governo e recusa sua demissão

Victor Mandinga pediu demissão depois da nomeação de vice-primeiro-ministro O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Nuno Gomes Nabiam, disse nesta terça-feira, 24, não ter aceite o pedido...

Ministro moçambicano da Defesa celebra conquistas em Cabo Delgado, mas analistas sugerem cautela

"Não é por se ter recuperado a vila de Muidumbe, que tinha sido ocupada pelos insurgentes, que se vai celebrar a vitória", diz analista...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.