- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia "Será difícil garantir novos financiamentos para saldar dívida"

“Será difícil garantir novos financiamentos para saldar dívida”

Analista da agência de notação financeira Fitch Ratings, que segue a economia de Angola, considerou hoje (17.10) que será difícil ao Governo garantir novos financiamento para pagar dívida que vence nos próximos anos.

“Acreditamos que as autoridades angolanas vão continuar a servir a dívida em moeda estrangeira em 2020 e 2021, mas com a data da amortização a aproximar-se, o Governo vai ter de garantir novas fontes de financiamento, e isso pode ser difícil devido ao nível de dívida que Angola tem e pode depender de um equilíbrio económico e do regresso a um crescimento económico robusto”, escreveu Jermaine Leonard, analista da agência de notação financeira Fitch Ratings.

Num relatório especial destinado a responder às principais dúvidas dos investidores, Jermaine Leonard aborda a pergunta ‘Vai Angola tentar reestruturar a Dívida Privada’ e escreve que “o cenário central da Fitch é que Angola cumpra as obrigações do serviço de dívida externa em 2020 e 2021 devido a uma combinação de reescalonamento de pagamento à China e a outros credores bilaterais, apoio de instituições financeiras multilaterais e recursos a reservas externas”.

Segundo o analista, a boa relação entre Angola e o Fundo Monetário Internacional (FMI) “sugere a viabilidade de um programa de seguimento” ao actual [programa] e o país pode também recuperar o acesso aos mercados internacionais e recorrer a emissões para suprir os défices de financiamento.

Na resposta à questão central sobre a possibilidade de Angola reestruturar a dívida privada – uma possibilidade que a ministra das Finanças, Vera Daves, tem repetidamente afastado – Jermaine Leonard lembra que “o FMI apontou sérios desafios à sustentabilidade da dívida” angolana, apesar de esperar uma descida dos 123% do PIB este ano para 70% em 2025.

“A Fitch prevê que a dívida de Angola aumente para 129% do PIB, ou 850% das receitas fiscais. E isto é indicativo das dificuldades de Angola em aumentar a receita não petrolífera”, alerta o analista, a acrescentar que este nível da dívida face à receita é mais do dobro da média de 356% dos países com o rating ‘B’.

Por isso, “apesar de as autoridades terem um histórico forte de implementação de reformas estruturais e orçamentais, um falhanço na redução sustentada do peso da dívida pode levar a uma situação em que o FMI torna a reestruturação da dívida privada uma condição para o apoio financeiro”, concluiu o analista.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.