InicioAngolaRegiõesNamibe: Cada vez mais pobres procuram sobrevivência no lixo

Namibe: Cada vez mais pobres procuram sobrevivência no lixo

No Namibe está a registar-se um aumento notório do número de pessoas que procuram a sobrevivência nos contentores de lixo da cidade.

Adultos, velhos e crianças são vistos em cada vez maior número a vasculhar os contentores em busca de garrafas, latas e plástico para depois as venderem por preços irrisórios e em muitos casos vasculham também os contentores em busca de restos de comida.

“ É neste serviço sujo sai o seu ganha-pão, mas é triste”, disse o cidadão João Manuel.

“Aqui no Namibe esta situação está cada vez pior,”, reagiu outro cidadão que pediu anonimato enquanto uma outra disse ver “todos os dias bastantes crianças e adultos nos contentores de lixo”.

A voz de América esteve na manhã desta quarta-feira, 14, próximo de um dos contentores de lixo nas mediações do bairro da Faca.

Algumas das pessoas que buscam sobrevivência no lixo usaram palavras obscenas contra o estado angolano. Apenas o cidadão Vasco Manuel falou dos seus rendimentos diários de 500 kwanzas, equivalente a 1 dólar americano por dia.

“ Estou a recolher garrafas para vender no bairro Mandume ao preço de 5 kwanzas por cada vasilhame de água. Faço isto para poder comprar fuba para fazer funge e não temo contrair doenças por que não tenho como fazer, tudo fica nas mãos de Deus”, disse.

Muitas destas famílias também recolhem migalhas de comida nos contentores, uma odisseia de sobrevivência de várias mulheres, homens e crianças que nos últimos dias enfrentam extrema pobreza e fome.

“Há muita gente na lixeira, se tu fores na escola primeiro de Maio e ali junto ao Cemitério verás muitas crianças, mulheres e homens na lixeira”, esclareceu um outro cidadãos que pediu anonimato.

FonteVoA

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.