- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Moçambique: Confinamento fez disparar casos de violência sexual em Inhambane

Moçambique: Confinamento fez disparar casos de violência sexual em Inhambane

Organizações da sociedade civil moçambicana dizem estar a trabalhar para encorajar as vítimas a denunciar o aumento de casos de abuso sexual durante a pandemia. Administração da Justiça reforçou as campanhas de alerta.

Uma jovem de 18 anos que preferiu não revelar o nome disse à DW África que por causa do confinamento relacionado com a Covid-19 foi violada várias vezes pelo tio. A adolescente nunca apresentou queixa às autoridades por medo de represálias.

“A minha família, quando descobriu, achou que fosse mentira ou brincadeira. O primeiro a descobrir foi o meu avô, porque nos encontrou”, conta.

O caso desta jovem não é o único. Rufaida Abdul, residente em Maxixe, diz que um dos seus vizinhos engravidou a própria neta. Segundo esta cidadã, o ancião fazia-se acompanhar pela menor quando ia para pesca durante a noite, altura em que abusava sexualmente da criança.

“Todos os dias, ele acorda a neta e vai com ela à praia. É naquele momento que ele se aproveita dela”, lamenta.

Arteonesa Sambo, presidente da Associação Txivuno Txavanana, que engloba algumas organizações não-governamentais em Inhambane, confirma que os casos de violação e agressão sexual têm aumentado desde o início da pandemia da Covid-19, embora as raparigas tenham medo de denunciar os violadores.

“Não querem denunciar, porque podem sofrer represálias. Nas [acções de] sensibilização nas comunidades e escolas, [dizemos] a essas raparigas para não terem medo de denunciar estes casos”, refere Arteonesa Sambo, acrescentado que a associação está a disponibilizar protecção para as vítimas.

“É preciso que as famílias olhem para as raparigas como o futuro do nosso país”, frisa.

Associação Txivuno Txavanana confirma que casos de violação aumentaram desde o início da pandemia (foto ilustrativa).
(DR)

Governo não revela dados
Graça Arnaldo, chefe do departamento de atendimento à família e menores vítimas de violência no comando provincial em Inhambane, não comenta o aumento de casos de abuso sexual em Inhambane, nem revela a existência de dados oficiais.

No entanto, a responsável admite que a instituição está a aproveitar os meios de comunicação social para divulgar mensagens e linhas verdes para promover a denúncia deste tipo de crimes.

“O que estamos a fazer agora é aproveitar as nossas rádios comunitárias existentes ao nível dos distritos, as nossas televisões e também principalmente os mercados”, indica.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...
- Publicidade -

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Notícias relacionadas

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Polícia frustra manifestação não autorizada em Luanda

A Policia Nacional frustrou ontem a realização de uma manifestação não autorizada pelas autoridades, por força das medidas restritivas de prevenção e combate à...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.