- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Moçambique vai candidatar-se a membro do Conselho de Segurança da ONU

Moçambique vai candidatar-se a membro do Conselho de Segurança da ONU

Moçambique pede apoio dos países “amigos” para a candidatura ao Conselho de Segurança da ONU, cujas eleições vão decorrer em 2022. O país vai se candidatar a membro não-permanente do órgão, afirma a chefe da diplomacia.

A ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação moçambicana, Verónica Macamo, pediu na sexta-feira (09.10) apoio aos países de África e Médio Oriente com representação diplomática no país para a candidatura de Moçambique a membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU.

“A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) endossou a nossa candidatura: Moçambique vai se candidatar a membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para o mandato 2023/2024, cujas eleições vão decorrer em 2022”, explicou.

“Assim como os vossos países sempre poderão contar com o nosso apoio, estamos confiantes de que mereceremos o vosso apoio e confiança sem reservas”, acrescentou.

O pedido da chefe da diplomacia moçambicana foi expresso numa reunião com representantes das missões diplomáticas de África e médio Oriente acreditadas em Moçambique destinado a passar em revista o programa do Governo.

O Conselho de Segurança da ONU é composto por 15 membros, cinco permanentes e 10 não-permanentes eleitos por mandatos de dois anos e em que cinco são substituídos a cada ano. Na eleição há um número fixo de assentos para os diferentes grupos regionais em que a Assembleia Geral da ONU se divide.

Moçambique pede apoio para candidatura ao Conselho de Segurança da ONU em 2022.
(DR)

Situação em Cabo Delgado
Na reunião, em Maputo, a governante aproveitou o encontro para reforçar o pedido de cooperação para acabar com os ataques armados em Cabo Delgado, província do norte do país.

“Estamos a falar de terrorismo, um fenómeno que, embora localizado no nosso país, tem origens e inspiração externa e por isso, a sua eliminação requer esforços colectivos”, referiu.

Assim, apelou à provisão de ajuda humanitário para as populações deslocadas, cooperação bilateral no seio de organizações internacionais nas áreas de defesa e segurança e apoio à instalação de um centro de operações humanitárias e de emergência da SADC em Nacala, província de Nampula.

A província costeira mais a norte de Moçambique, que faz fronteira com a Tanzânia, enfrenta uma crise humanitária com mais de mil mortos e 250.000 a 300.000 deslocados internos após três anos de conflito armado entre as forças moçambicanas e rebeldes, cujos ataques já foram reivindicados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, mas cuja origem continua por esclarecer.

A região deverá acolher nos próximos anos investimentos da ordem dos 50 mil milhões de dólares em gás natural, liderados pelas petrolíferas norte-americana Exxon Mobil e francesa Total (que já tem obras no terreno).

- Publicidade -
- Publicidade -

Henri Lopes: “No Congo, a independência era assustadora”

Ex-primeiro-ministro e ex-embaixador do Congo na França, o escritor Henri Lopes conta a atmosfera confusa que reinou no Congo nas décadas de 1960 e...
- Publicidade -

RDC: batalha entre Kabila e Tshisekedi pelo controle do Tribunal Constitucional

Félix Tshisekedi e seu antecessor Joseph Kabila têm travado uma batalha feroz pelo controle do Tribunal Constitucional há várias semanas. Na véspera da posse dos...

Dinamarquês que matou jornalista num submarino tentou fugir da prisão

O dinamarquês condenado por torturar e matar uma jornalista sueca no seu submarino privado fugiu esta terça-feira da prisão, onde cumpre prisão perpétua, mas...

Conselheiro de segurança de Trump no Brasil para acordo comercial e campanha anti-China

Delegação americana quer passar mensagem de que o alinhamento do Brasil e da China pode compensar o mal-estar com Pequim. Chefe de uma delegação americana...

Notícias relacionadas

Henri Lopes: “No Congo, a independência era assustadora”

Ex-primeiro-ministro e ex-embaixador do Congo na França, o escritor Henri Lopes conta a atmosfera confusa que reinou no Congo nas décadas de 1960 e...

RDC: batalha entre Kabila e Tshisekedi pelo controle do Tribunal Constitucional

Félix Tshisekedi e seu antecessor Joseph Kabila têm travado uma batalha feroz pelo controle do Tribunal Constitucional há várias semanas. Na véspera da posse dos...

Dinamarquês que matou jornalista num submarino tentou fugir da prisão

O dinamarquês condenado por torturar e matar uma jornalista sueca no seu submarino privado fugiu esta terça-feira da prisão, onde cumpre prisão perpétua, mas...

Conselheiro de segurança de Trump no Brasil para acordo comercial e campanha anti-China

Delegação americana quer passar mensagem de que o alinhamento do Brasil e da China pode compensar o mal-estar com Pequim. Chefe de uma delegação americana...

EUA: Afluência às urnas favorece até agora Joe Biden

A duas semanas das eleições presidenciais e legislativas americanas uma coisa é certa: A afluência às urnas deverá este ano ser um recorde. Fazendo uso...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.