- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Crónicas e Artigos O tempo e o bom senso (II)

O tempo e o bom senso (II)

Era uma vez um país a que deram o nome de Angola. Teve a sorte ou a desdita de nascer num lugar abençoado, num sítio onde, até aos dias de hoje, nunca faltou nem tem faltado nada do essencial para que o homem e a mulher sobrevivam. Um simples modo de dizer as coisas, diga-se em abono da verdade, porque há momentos que falha mesmo, por muito tempo, o de comer para os mais desgraçados.

Oficialmente, nada mesmo costuma faltar, em Angola não há fome, grita-se a plenos pulmões para se justificarem situações embaraçosas e mostrar força na governança. Mas, na verdade, só não há desde que dela se saiba buscar o que é preciso, faço-lhe esse acrescento.

Depois de recuperada de quem a havia usurpado por longo tempo, a terra mostrou e mostra diariamente todas as suas potencialidades. E todos os seus filhos, os de ontem e os de hoje, por muito que não queiram, juntos e sempre misturados, vão pensando que irão no finalmente de um dia qualquer, beneficiar de tudo o que ela tem de bom.

Magnífica a ideia. Povo excelente e generoso mesmo com bandidotes e malandrecos pelo meio, chão magnífico e produtivo, água farta que não acaba. Até petróleo e diamantes, tudo com abundância, todo o resto das riquezas que fazem nascer vaidades, aquelas coisas que ajudam a virar a cabeça de uns, perdendo o bom senso a favor de pensamentos hediondos, isto de um lado, e fingir de fazer a fortuna material do país por outro, contribuindo ainda para que todo o povo viva com a esperança de ser bem dirigido um dia, para nunca, jamais, passar fome e sentir a miséria em tempo nenhum.

Foi conseguida essa estratégia, meteram esse pensamento na cabeça do povo quase inteiro. Grande vitória, temos que aceitar.

Mas, sabemos todos, que para se tornar no país ideal que eu quero inventar com a minha conversa, apenas tem faltado a Angola, desde o seu início, gente de bom senso na quantidade exacta e com a qualidade capaz de a conduzir melhor e por caminhos certos.

Essa Angola de que falo é aquela terra que todos conhecemos, um país que tem de tudo, é de chão abundante, quer em comida de todo o género como em água, como em riqueza material. Rico como poucos, foi destinado, apesar da obstinada e grosseira vontade de uns quantos poderosos chefões, com poder mas ignorantes, que sempre pugnaram pelo contrário, caminhando pela estrada perigosa, impedindo a rota que nos levaria ao nosso destino, na direcção tomada por muitos outros povos do mundo, rumo a uma posição de relevo no universo, que é nosso, não de uns poucos, por merecimento próprio.

Essa Angola que se queria é indubitavelmente uma terra como nenhuma. Controversa quanto baste e pelas razões que se adivinham, é terra onde não se pode admitir que, em tempos projectados para a prosperidade, morram pessoas de fome enquanto outras, em número muito mais reduzido, se banqueteiam e se abarrotam com a barriga cheia de gás natural, de gasosa, de champanhe e de dinheiro mal ganho, que destinaram levianamente, com a ajuda inegável de supra juízes e de escribas e escrivães intocáveis, apenas para si e para os seus próximos.

Por causa da sua falta de patriotismo morre gente todos os dias. Mais do que os que deveriam morrer. Infelizmente morre gente nesta terra onde a riqueza material não tem medida mas a humana se foi degradando, paulatinamente, de geração em geração, por variadíssimas razões, genéticas na maior parte dos casos.

Invejas e vinganças, ganâncias desmedidas, desejo de poder absoluto, ordens superiores mal dadas e sem sentido, com teimosia e falta de estratégia pavorosa, sempre com o dinheiro agitado como bandeira, numa prática que se tem mostrado desprovida de engenho, completamente desastrada.

Tudo se confundiu mais quando, mais uma vez pensaram erradamente e se dividiram em grupos, imaginando que seria o melhor.

Nunca foi bom, nunca deu bom resultado quando um povo se divide, e muito especialmente quando os que tomam apressadamente a dianteira dos actos imediatos e dos imediatamente a seguir e realizam sem pudor coisas feias e vergonhosas, pensam que se tornam únicos no comando dos destinos da terra, esquecendo os milhões de coitados que nunca provaram o bocado de doce a que têm direito.

Erro crasso. Porque esses desgraçados, os milhões, devem contar sempre, não devem ser esquecidos.

À medida que o tempo passa, eu vou pensando que a história desta Angola que certos mestres construíram não é mais do que um conto para crianças em que poucos acreditam. Talvez seja uma fábula, já que nela abundam certos animais falantes num cenário de vida curta.

A fábula que se vem contando neste país chamado Angola, está repleta de animais, uns mais perigosos e repelentes que outros e em cada uma das histórias que fazem as fábulas que nos são contadas, está lá, no fim de cada uma, a moral da história, escarrapachada, que muitos teimam em não querer ler. Como deve ser com as fábulas, quando elas terminam.

E se a fábula é por natureza uma história contada em tempos e capítulos curtos, de pouca vida, mostrando o local onde os animais, seus reais e dignos habitantes, intérpretes da trama em que se movimentam, deveriam ser animais de boa estirpe, dignos de viverem em sítio adequado a seres de bom comportamento.

Mas como não se pode ter tudo na vida, calharam em sorte a Angola, os animais que promovem acontecimentos tão estranhos e vergonhosos, raros nos limites da pouca-vergonha, como raro é o próprio país que transformaram e especial a imensa riqueza da sua terra.

De tão famosa que é, tornou-se admirável sobretudo porque é extremamente rica, assim se ufanam e se convencem os sábios e cientistas da corte, que incutem a ideia em filhos, compadres e afilhados. Esses, claro, interiorizam que essa riqueza não pode ter fim e é, no seu conceito, simplesmente “incabável”. Assim mesmo, “incabável”, como diria o imortal Morgado, o saudoso Kimangango.

- Publicidade -
- Publicidade -

Polícia frustra manifestação não autorizada em Luanda

A Policia Nacional frustrou ontem a realização de uma manifestação não autorizada pelas autoridades, por força das medidas restritivas de prevenção e combate à...
- Publicidade -

MINSA teme colapso do sistema de Saúde

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, considerou sábado, em Luanda, que o aumento de infecções por Covid-19 no país pode...

Angola anuncia mais 247 casos e teme “colapso” do sistema de saúde

A ministra angolana da Saúde, Sílvia Lutucuta, anunciou hoje mais 247 casos de covid-19 no país, alertando para o aumento exponencial dos últimos 15...

Angola no “limiar do estado de emergência”, avisa ministro Adão de Almeida

O ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República de Angola avisou que o país está "no limiar do estado...

Notícias relacionadas

Polícia frustra manifestação não autorizada em Luanda

A Policia Nacional frustrou ontem a realização de uma manifestação não autorizada pelas autoridades, por força das medidas restritivas de prevenção e combate à...

MINSA teme colapso do sistema de Saúde

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, considerou sábado, em Luanda, que o aumento de infecções por Covid-19 no país pode...

Angola anuncia mais 247 casos e teme “colapso” do sistema de saúde

A ministra angolana da Saúde, Sílvia Lutucuta, anunciou hoje mais 247 casos de covid-19 no país, alertando para o aumento exponencial dos últimos 15...

Angola no “limiar do estado de emergência”, avisa ministro Adão de Almeida

O ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República de Angola avisou que o país está "no limiar do estado...

Confrontos em Nápoles contra novo confinamento

Pela primeira vez desde o início da pandemia em Itália há oito meses, centenas de pessoas saíram à rua contra a perspectiva de medidas...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.