- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Crónicas e Artigos Análise: "É escandaloso que a África tenha a maior prevalência de pessoas...

Análise: “É escandaloso que a África tenha a maior prevalência de pessoas com fome do mundo”

Um estudo da Jeune Afrique revela o cansaço dos africanos relativamente às conversas sem fim dos políticos prometendo o bem estar, o emprego, a saúde em discursos e inflamados relatórios sobre a riqueza e o potencial do continente.

Diz a revista “ser escandaloso que a África tenha a maior prevalência mundial de pessoas com fome – 20% da sua população – e a maior quantidade de terras aráveis ​​não cultivadas do mundo”. De acordo com o Banco Mundial e a Organização para a Alimentação e Agricultura, a savana africana da Guiné sozinha tem o dobro da terra disponível para a produção de trigo no mundo, mas apenas 10% dela é cultivada actualmente.

O texto revela ainda o paradoxo e intrigante situação em que vive o continente, perante o quadro assustador que se observa numa terra de abundância.  África consta nos relatórios como produtora de recursos naturais como cacau, café, diamantes, cobre, petróleo e produtos associados, numa lista que se perde na descrição das suas enormes potencialidades. Diz o estudo que produzir ou possuir recursos por si só não conta.  O que importa realmente é o que se faz com a própria produção e como transformamos todo esse potencial em realidade.

A análise vai mais a fundo quando justifica as situações como a mudança do clima, a desertificação e degradação da terra e um boom demográfico que colocam esses recursos do continente sob pressão contínua, causando danos ao solo e aos sistemas de água, com a poluição e menor produtividade agrícola e pecuária e perda de biodiversidade.

As consequências relacionadas variam desde o local – como cargas de trabalho agrícolas mais pesadas, especialmente para as mulheres – até uma incidência nacional mais ampla de migração, conflitos e insegurança, com repercussões internacionais.

A degradação e o mau uso da terra, a ocupação desordenada de espaços e as emissões poluentes das indústrias, as migrações internas produzem já o fenómeno da desertificação do continente. A menos que acções correctivas imediatas sejam tomadas para restaurar e gerenciar adequadamente os ecossistemas da terra e da floresta, as perspectivas não dão razão à realidade triste que se vive no continente.

Daniel Rosa, o recém nomeado embaixador de Angola em Singapura (Foto: D.R.)

Em Angola, onde a pobreza adquiriu estatuto de cidadania e se assiste à delapidação desordenada dos seus importantes recursos naturais e a exportação para o Ocidente, dos seus recursos financeiros, a situação pode ser encarada como o pior golpe, que as lideranças políticas promoveram ao longo de 38 anos, numa teia muito bem gizada, que permitiu a drenagem de importantes recursos financeiros para o exterior do país, engordando o sistema ocidental com o fruto do saque.

Fala-se que até Singapura alberga um valor que ultrapassa os 60 biliões de dólares, em contas domiciliadas nesse território asiático, onde curiosamente foi nomeado o embaixador Daniel Rosa, que sai de Bissau com a missão de auscultar e detectar o paradeiro dos milhões de dólares do petróleo angolano, abusivamente desviados por uma clique de triste memória.

A batalha não será fácil, mas conta com a colaboração da comunidade internacional e será nesta base de luta diplomática, que Angola concentra a sua cruzada contra a corrupção, que transformou a sua riqueza em banquete

A degradação da terra continua à medida que as mudanças climáticas e a variabilidade tornam as secas e inundações mais frequentes e graves. Ao mesmo tempo, a competição pela terra está se intensificando, não apenas por causa da urbanização, do crescimento populacional e da maior demanda por alimentos e energia. Entre os principais factores estão as políticas e práticas agrícolas que influenciam o uso da terra e podem permitir uma recuperação verde equilibrada ou facilitar a aquisição em grande escala e a captura de terras por elite, às vezes envolvendo o deslocamento da comunidade.

A capacidade de África de planear o seu desenvolvimento dependerá muito do futuro da agricultura e de como pode converter os problemas actuais em oportunidades. Libertar o potencial agrícola não depende apenas de manter a economia correcta, mas também da capacidade de restaurar e regenerar terras, de combater as mudanças climáticas e de evitar gafanhotos e todas as formas de doenças.

“O retorno à economia verde”

Uma melhor governança permitirá o impulso para ‘reconstruir mais verde’ e atingir a neutralidade da degradação da terra. Essa meta internacional permite que as populações de terras secas evitem, reduzam e revertam a desertificação, o que contribui para a adaptação às mudanças climáticas com mitigação.

Também reconhece a centralidade da segurança alimentar – envolvendo disponibilidade, acesso, utilização e estabilidade dos recursos alimentares – e promove o investimento necessário na agricultura e gestão sustentável da terra, restauração e reabilitação.

A segurança alimentar é a chave para sair da recessão e alcançar a agenda industrial de África. Atualmente, o continente gasta cerca de US $ 35 bilhões em importações de alimentos por ano e esse montante aumentará para US $ 110 bilhões em 2025 se a tendência continuar.

A trajectória de desenvolvimento da África depende de políticas inteligentes e de uma implementação eficaz. Os governos devem progredir na questão fundamental da segurança da posse da terra e acelerar o fornecimento de itens essenciais, como infraestrutura da cadeia de suprimentos.

Além de estradas, isso envolve instalações de armazenamento e pontos de comercialização para minimizar as perdas pós-colheita (até 30% da produção total) e ajudar a construir cadeias de valor nacionais e internacionais. Também é necessária uma estrutura de incentivos e serviços para modernizar um setor maioritariamente povoado por pequenos proprietários.

A lista inclui acesso ao crédito, incentivos fiscais e pagamento de serviços ecológicos do sector privado. Os meios de subsistência agrícolas e não agrícolas, por sua vez, precisam de mais diversidade, apoiados por vigorosos serviços de extensão e redes de agricultores que participam do planejamento do uso da terra.

 

- Publicidade -
- Publicidade -

“Não se concebe que em 45 anos precisemos comprar água de injecções no estrangeiro”

Euclides Sacomboio é docente no Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA) na Universidade Agostinho Neto e fala, nesta entrevista, da necessidade de uma...
- Publicidade -

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas...

Vítimas em Cabo Delgado têm direito a ter uma história, diz Mia Couto

O escritor moçambicano Mia Couto apelou hoje à humanização do relato sobre o conflito armado em Cabo Delgado, norte do país, destacando a história...

Notícias relacionadas

“Não se concebe que em 45 anos precisemos comprar água de injecções no estrangeiro”

Euclides Sacomboio é docente no Instituto Superior de Ciências da Saúde (ISCISA) na Universidade Agostinho Neto e fala, nesta entrevista, da necessidade de uma...

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas...

Vítimas em Cabo Delgado têm direito a ter uma história, diz Mia Couto

O escritor moçambicano Mia Couto apelou hoje à humanização do relato sobre o conflito armado em Cabo Delgado, norte do país, destacando a história...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.